22 de Mai de 2024

Faz parte das crenças populares a ideia de que ler no escuro faz mal à visão. Aliás, há quem acredite que este hábito pode agravar doenças oculares, como a miopia ou o astigmatismo. Mas será esta teoria um mito ou uma verdade? Existe evidência científica que a comprove? É mito ou verdade que ler no escuro faz mal à visão?

A ideia de que ler no escuro prejudica a visão não passa de um mito. Quem o explica, em declarações ao Viral, é o médico português Dr. João de Deus, oftalmologista e presidente da Associação Europeia dos Médicos Hospitalares (AEMH). O médico adianta que ler no escuro “não provoca nenhum dano imediato nos olhos, nem tem nenhum efeito a longo prazo”. É verdade que, elucida o médico, “é diferente a pessoa ler letras pretas num papel branco na luz ou vê-las no escuro”. Num ambiente com menos claridade, “o contraste entre as letras pretas e o papel branco diminui” e isso “exige um maior esforço” por parte dos olhos.

No entanto, manter esse hábito “não provoca nenhum dano na visão”. O que pode acontecer é a pessoa “sentir algum cansaço”, porque “obriga os olhos a um esforço suplementar”. Eventualmente, o gesto de ler no escuro “até pode provocar uma pequena dor de cabeça pelo esforço que o olho tem de fazer, mas, mais uma vez, não causa nenhum dano permanente, nem temporário ao olho”. Aliás, segundo o especialista, estes sintomas manifestam-se apenas no momento em que se faz o esforço para ler. O que poderá, realmente, prejudicar a visão?

É fato que ler no escuro “pode dar algum cansaço visual”, mas “não influencia o avanço da miopia ou qualquer outra condição ocular”, defende o diretor da AEMH. Por outro lado, o que pode realmente agravar um quadro de miopia é “a excessiva utilização da visão de perto” através da exposição contínua aos smatphones, tablets e computadores. Neste caso, segundo Dr. João de Deus, existe evidência científica que “a excessiva utilização da visão de perto aumenta o grau de miopia mais do que o esperável, independentemente de ser visão noturna ou diurna”.

Assim, a comunidade médica recomenda com frequência “que as crianças não usem por muito tempo os tablets e smartfones”. O ideal seria que optassem mais pelas atividades ao ar livre para não forçarem a sua visão de perto”, que pode ser comprometida a longo prazo. Como reduzir o desconforto visual?

Apesar de ler no escuro não provocar nenhum dano nos olhos, por uma questão de conforto, o ideal é ter sempre um pouco de luz enquanto se lê livros, jornais, revistas ou qualquer texto em papel. Basta haver alguma claridade que “melhora bastante o contraste e o foco“, assegura o médico. Isto acontece porque, quando “temos a pupila menor, a visão concentra-se mais naquela parte” do campo de visão ocupada pelo livro. Pelo contrário, se “o olho estiver mais dilatado, a visão fica mais dispersa e o foco é pior, provocando o tal desconforto, a tal sensação de cansaço e até, eventualmente, as tais dores de cabeça”, sustenta. Como se adaptam os olhos humanos ao escuro?

“Em condições de menos claridade, os nossos olhos utilizam células diferentes para ver”, explica Dr. João de Deus. O olho humano tem “dois tipos de fotorreceptores”: os cones, que estão adaptados para a visão diurna e para a visão colorida e os bastonetes que funcionam para a visão noturna”, esclarece. O fato de os bastonetes estarem “mais à periferia” faz com que, no escuro, as nossas “pupilas dilatem”. Segundo o especialista, isto é típico “nos gatos, em que as pupilas ficam muito pequenas durante o dia e depois à noite dilatam”. Isto acontece “porque eles têm uma excelente visão noturna”, completa.

Apesar de os humanos “não terem a visão dos gatos, também dilatam a pupila, na visão noturna, e estimulam outras células da retina que não são as habituais”.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Portal Viral Sapo