18 de Jun de 2024

Previsão do INPE aponta índice extremo de radiação UV. Pesquisa mostra que mais da metade dos brasileiros não protege os olhos da radiação

O verão começou em dezembro cobrindo o Brasil de radiação ultravioleta extrema. A previsão do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) é de que o índice de radiação UV (ultravioleta) varie de 11 a 14. Nas regiões sudeste, sul e centro-oeste a previsão é de 13 a 14. No norte e nordeste varia de 11 a 13. De acordo com o oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto, isso significa que mesmo nos dias chuvosos ou nublados previstos pelo INPE é importante proteger os olhos com óculos que filtrem 100% da radiação UV. Isso porque a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é usar óculos com filtro UV sempre que a radiação atinge 6.

Uma pesquisa realizada com 620 pacientes mostra que mais da metade dos brasileiros ignora o risco de expor os olhos ao sol. Só 45% das pessoas usam óculos nas atividades externas durante o ano todo. O médico ressalta que a falta de proteção pode ser ainda maior. Isso porque, um estudo que acaba de ser publicado na BioMedical Engineering revela que o filtro UV tem, em média, validade de dois anos e nem todos trocam os óculos de sol periodicamente. A troca depende do tempo que uma pessoa passa exposta ao sol. "A única forma de não expor a saúde dos olhos a riscos, nem jogar dinheiro fora, é levar os óculos de sol a cada dois anos a uma ótica que tenha laboratório para analisar as lentes", ensina.

Óculos sem proteção UV é pior para os olhos

O oftalmologista afirma que usar óculos escuros de baixa qualidade é pior do que a falta deles. Isso porque, as lentes escuras fazem com que a pupila dilate e permitem maior penetração de mais radiação no globo ocular. O resultado são doenças na córnea, cristalino e retina. "Para quem usa óculos de grau, é possível aplicar nas lentes um filtro UV transparente que além de proteger os olhos do sol, evita danos causados pela luz azul emitida pelas telas do celular e computador.", salienta.

Catarata precoce

Queiroz Neto comenta que o efeito da radiação é cumulativo. Está entre os principais fatores que vêm contribuindo com o aparecimento precoce da catarata no Brasil. Isso porque, usar óculos escuros sem proteção aumenta em 60% a chance de contrair catarata. A doença responde por 49% dos casos de cegueira entre brasileiros. A estimativa é de que cresce 20% ao ano no País, índice que está em ascensão devido ao rápido envelhecimento da população. O único tratamento é a cirurgia que substitui o cristalino opaco por uma lente intraocular.

Outras doenças oculares

O especialista afirma que a exposição por mais de seis horas à radiação solar também pode causar fotoceratite, uma inflamação da córnea com vermelhidão e desconforto temporários que provoca a morte de células. "Portanto, o efeito na lente externa do olho também é cumulativo", pontua.

"Outra doença ocular causada pela radiação é a degeneração macular. Afeta a mácula, porção central de retina responsável pela visão de detalhes e é apontada mela OMS como a maior causa de cegueira irreversível", esclarece. Pode ser tratada com aplicação de laser e injeções de antiangiogênicos, mas a garantia de preservação da visão depende de disciplina no tratamento e do estágio em que a doença é diagnosticada. "O primeiro sinal é enxergar linhas tortuosas", salienta.

O oftalmologista afirma que uma doença menos grave, mas também importante, é o pterígio. "Resulta de um mecanismo de defesa que faz crescer uma membrana sobre a conjuntiva em direção à córnea. Pode ser tratada com pomadas no estágio inicial ou extração cirúrgica quando já evoluiu a ponto de atrapalhar a visão.

Como escolher a cor da lente

Queiroz Neto ressalta que bons óculos escuros ajustam a quantidade de luz que chega aos olhos sem alterar a visibilidade. Para o dia a dia recomenda as cores âmbar, marrom e cinza, que permitem boa visão de contraste e profundidade, além de reduzirem reflexos. Já as lentes cinza melhoram a visão de contraste e tornam mais segura a direção em dias nublados. Para surfistas e outros esportes aquáticos, observa, as lentes rosa e púrpura melhoram a visão de contraste em fundos verdes ou azuis. O oftalmologista finaliza recomendando aos motoristas o uso de lentes amarelas no entardecer para reduzir o ofuscamento de motoristas provocados pela luz dos faróis.

 

 

 

 

Fonte: assessoria de comunicação do Instituto Penido Burnier