27 de Mai de 2022

Rápida e segura, a intervenção melhora saúde e autoestima da mulher

medico blefaroplastia

​Aparência envelhecida, visão cansada e sensação de peso nos olhos são alguns dos sintomas relatados por pacientes que têm procurado, cada vez mais, o consultório da oftalmologista Dra. Simone Trigueiro, especialista em plástica ocular e órbita. "O número de cirurgias plásticas oculares tem aumentado, principalmente durante a pandemia, porque os olhos ficaram mais em evidência, devido ao uso das máscaras. As mulheres também estão optando pelo procedimento, pois é rápido e seguro, não demanda internação, a recuperação é tranquila e os resultados são excelentes", comenta a médica.

Dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica e Estética (ISAPS) apontam que, em 2021, houve um aumento de 50% na procura por cirurgias plásticas, sendo o Brasil onde mais se realiza esse tipo de operação no mundo. E quando se trata de fazer correções por saúde ou estética, um dos principais alvos é a região ocular. Afinal, ela tende a apresentar sinais de envelhecimento, devido aos tecidos finos e à musculatura em constante movimento. "Esse processo é natural, mas aliado a fatores genéticos e mesmo a falta de uso de óculos escuros pode contribuir para o aumento de rugas de expressão e para o aspecto de afundamento, que destaca as bolsas superficiais de gordura das pálpebras e dá uma aparência cansada ao olhar", explica Dra. Simone.

Tais alterações podem ter uma influência negativa no ânimo, na vida e nos relacionamentos da mulher, afetando inclusive sua autoestima. O excesso de pele nas pálpebras também pode causar limitação no campo visual. "Felizmente, podemos corrigir esses problemas com facilidade", diz a oftalmologista. Para retirar o excesso de pele, músculo e bolsas de gordura da pálpebra e da região inferior dos olhos, a cirurgia mais procurada atualmente é a blefaroplastia. A intervenção é realizada em um centro cirúrgico, com anestesia local e sob sedação, para maior conforto da paciente.

No procedimento, retira-se o excesso de pele e gordura das pálpebras, respeitando os parâmetros anatômicos e técnicos. "Também preservamos ou restauramos a função primária das pálpebras, que é a proteção do globo ocular. A operação é personalizada de acordo com as características de cada paciente", explica a médica. As cicatrizes são discretas. Na pálpebra superior, a cirurgia é feita no sulco pálpebral que é a dobra natural, para que não sejam visualizadas de olhos abertos e, quando fechados, se confundem com a linha natural nessa região. Quanto à pálpebra inferior, o corte fica abaixo da linha dos cílios e se mistura com as linhas e expressão naturais dos olhos.

Recuperação

Segundo Dra. Simone, as pacientes que têm pouco excesso de pele podem ser submetidas a tratamentos com laser ou jato de plasma. "É possível também retirar apenas as bolsas de gordura das pálpebras inferiores, sem a remoção da pele, que pode ser feita pela área interna das pálpebras e não ficam cicatrizes externas", afirma.

O pós-operatório é, em geral, indolor. "Prescrevemos somente compressas geladas, medicação tópica e analgésicos simples, caso a paciente apresente desconforto", comenta a oftalmologista. No que se refere às equimoses (olho roxo), decorrentes da blefaroplastia, estas duram uma média de três semanas, até desaparecer. Já o inchaço é absorvido ao final do primeiro mês, podendo ficar algum edema por dois ou três meses, dependendo de cada organismo.

A médica orienta ainda que, qualquer que seja a necessidade da paciente, ela deve passar por uma avaliação e indicação médica. "Isso é indispensável antes de realizar uma cirurgia plástica ocular, que deve ser feita por um oftalmologista especializado em cirurgia das pálpebras, chamada também de oculoplástica. Esse profissional é habilitado e capacitado para conciliar a estética ao bom funcionamento das estruturas perioculares e da saúde ocular", recomenda.

 

 

 

 

 

 

Fonte: assessoria de comunicação do Instituto de Olhos do Recife (IOR)