18 de Abr de 2021

A cirurgia de Braquiterapia ocular é conhecida por ser um procedimento moderno no tratamento de tumores nos olhos. Vamos explicar mais a fundo o que é e como funciona esse tratamento.

O que é

A Braquiterapia ocular é um procedimento que aplica radiação ionizante na região próxima ao tumor. Apesar disso, como o carcinoma é tratado diretamente, os tecidos próximos são protegidos. A quantidade de radiação pode ser baixa e aplicada por um período maior, ou alta e aplicada por um período menor. Tudo depende do grau que se encontra a doença. Esse procedimento é novo e revolucionário. Diferente das quimioterapias e radioterapias comuns, ele não danifica os ossos da face, pele, músculos, nem os tecidos oculares como íris, córnea e cristalino.

Como funciona

A chamada placa de braquiterapia é composta de chumbo. Em uma de suas faces possui o rutênio e semente de Iodo. Ela é colocada durante uma cirurgia próxima ao tumor. Um ultrassom é realizado durante o procedimento para garantir que a placa está na posição correta. Assim, todo o tumor será tratado corretamente. A duração do tratamento depende do tamanho e tipo de tumor. Pode variar entre um e cinco dias. O procedimento é indolor, mas necessita que o paciente seja internado em isolamento no hospital. A braquiterapia controla o tumor em cerca de 95% dos casos. Com ela é possível evitar uma remoção do olho.

Para quais doenças é indicada

É possível tratar diverso tumores com essa cirurgia. Cada uma delas necessita de uma quantidade diferente de radiação. Confira abaixo quais podem ser tratadas:

  • Carcinomas invasivos da superfície ocular;
  • Melanoma de conjuntiva;
  • Melanomas de coróide – melanoma intra-ocular, melanoma uveal, melanoma de corpo ciliar e melanoma de íris;
  • Retinoblastomas;
  • Tumores de retina como hemangioblastomas – hemangioma capilar de retina;Hemangiomas de coróide;
  • Metástases de coróide;
  • Tumores vaso-proliferativos.

Efeitos colaterais

Assim como outros tratamentos de cânceres oculares, a braquiterapia também pode provocar uma série de efeitos colaterais. A colocação em posição correta da placa pode diminuir a chance de problemas. Algumas disfunções mais comuns são: a catarata ou retinopatia da radiação. Em casos mais raros pode ocorrer a visão dupla ou infecção no pós operatório.

É importante tirar todas suas dúvidas em uma avaliação com um de nossos médicos especialistas.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Hospital de Olhos São Paulo