30 de Nov de 2020

Estudo mostra que até a idade de 8 anos o excesso de telas pode desalinhar os olhos. Saiba como prevenir

A pandemia de Covid-19 impôs o confinamento das crianças em casa e levou ao uso compulsivo do celular, tablet e computador nas atividades educacionais ou recreativas. De acordo com o oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto, nossos olhos se desenvolvem até os 8 anos de idade e este estilo de vida pode comprometer o sistema visual. “Isso explica porque vários estudos indicam que o excesso de telas eletrônicas na infância pode desencadear alterações na visão. Uma delas é a miopia acomodativa, dificuldade temporária de enxergar à distância provocada pelo esforço visual para perto e falta de atividade ao ar livre. A outra é o estrabismo, desalinhamento dos olhos apontado por um estudo italiano que acaba de ser publicado no Journal of Pediatric Ophthalmology & Strabismus.

Queiroz Neto explica que o estrabismo atinge 5% da população do País, mas está em ascensão. Quando provocado pelas telas está associado ao excesso de informação visual e à velocidade das imagens. "Os pais precisam observar os olhos das crianças", ressalta o médico. “Muitos demoram para consultar um oftalmologista porque algumas têm estrabismo intermitente em que o desalinhamento só acontece durante as atividades de maior esforço visual. A descontinuidade do sintoma é interpretada como regressão do problema e por isso acabam colocando a visão do filho em risco”, adverte.

Olho preguiçoso

O especialista explica que o estrabismo pode anular a visão do olho que enxerga menos e provocar grande diferença de refração ou anisometropia. O resultado é o olho preguiçoso ou ambliopia, maior causa de cegueira monocular no país. A ambliopia só pode ser revertida até a idade de 10 anos. Depois disso não tem cirurgia ou transplante que recupere o olho mais fraco. Por isso, a observação da criança, diagnóstico e tratamento precoces são essenciais.

Tratamentos

Ao contrário do que muitos pensam, o mais grave do estrabismo não é a aparência, mas os efeitos na visão. Os principais enumerados por Queiroz Neto são: embaçamento, diplopia ou visão dupla e perda da visão de profundidade que são diagnosticados em um exame de rotina. Quando o desalinhamento é leve o tratamento pode ser feito com uso de óculos ou aplicação de toxina botulínica, o chamado botox. A cirurgia que alinha os músculos responsáveis pelos movimentos dos olhos só é indicada em casos severos da doença.

A terapia mais utilizada para tratar ambliopia é a oclusão do olho de melhor visão para estimular o desenvolvimento do outro. Em casos de diagnóstico na fase inicial também pode ser indicado o colírio de atropina que dilata a pupila do olho de melhor visão para estimular o outro.

Prevenção

Queiroz Neto afirma que a melhor forma de prevenir alterações na visão da criança é através da consulta oftalmológica. A primeira deve ser feita com um ano de idade, a segunda aos dois anos e uma terceira antes de iniciar o processo de alfabetização. O médico chama a atenção para não expor crianças menores de dois anos ao celular conforme preconiza a Organização Mundial da Saúde (OMS), apenas uma hora dos dois aos quatro anos e duas horas entre cinco e seis anos.

Exercícios para mobiilidade dos olhos só devem ser feitos sob orientação de um especialista. "Quando o assunto é tela, o mais importante é não permitir o acesso antes da criança ir para cama porque a luz emitida por ela elimina o sono e ensinar olhar para um ponto distante com frequência para relaxar a musculatura dos olhos", conclui Dr. Leôncio.

 

 

 

 

 

 

Fonte: assessoria de comunicação do Instituto Penido Burnier