05 de Ago de 2020

Revisão científica associa risco à falta de vitamina D. Uso abusivo do celular também influi. Entenda.

celular crianca

O isolamento imposto pela pandemia de Covid-19, infecção causada pelo novo coronavírus, Sars-cov-2, pode aumentar a miopia em crianças. De acordo com o oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto esta é uma das conclusões de uma revisão científica sobre o papel da vitamina D na saúde dos olhos. Segundo o especialista, a miopia geralmente aparece na infância. É causada por fatores genéticos e ambientais que fazem o olho crescer mais que o normal. “Por isso, as imagens se formam à frente da retina e os míopes enxergam tudo o que está distante embaçado”, esclarece.

Uma revisão científica realizadas nos últimos seis anos, destaca, evidencia que não é só a pele que produz vitamina D quando tocada pela radiação ultravioleta do tipo B (UVB) emitida pelo sol. O mesmo processo acontece na córnea, lente externa do olho responsável pela refração. Outra novidade desta revisão é que a vitamina D regula mais de 900 pares de genes, podendo, portanto, estar associada ao fator genético. Outros estudos também associam o controle da miopia às atividades externas. “Isso acontece porque o sol aumenta a produção de dopamina, hormônio do bem-estar que ajuda a controlar o crescimento do olho”, pontua.

Queiroz Neto afirma que em muitos países, incluindo o Brasil onde não são produzidos alimentos fortificados com vitamina D, o sol responde por mais de 70% da substância circulante  no organismo da população. Por isso, as crianças devem ser estimuladas a tomar 15 minutos/dia de sol sem usar filtro solar, ainda que seja na varanda do apartamento, durante a quarentena.

Risco da tecnologia

Crianças fechadas em casa tendem a usar abusivamente o celular e outras telas digitais. Queiroz Neto afirma que esta é outra causa importante do aumento da miopia no mundo todo. Um levantamento realizado pelo oftalmologista no hospital com 360 crianças de 6 a 9 anos mostra que telas digitais usadas por até 6 horas contínuas praticamente dobra a miopia. No grupo passou de 12% para 21%.

O oftalmologista explica que o celular e outras tecnologias provocam miopia acomodativa, uma dificuldade temporária de enxergar à distância, decorrente do excesso de esforço visual para perto. Os pais devem ficar atentos aos sinais de miopia em crianças: assistir TV muito próximo, fazer careta para enxergar algo distante, dor de cabeça no final do dia e súbito desinteresse por atividades esportivas. A miopia acomodativa pode ser corrigida até 8 anos de idade, quando o olho completa seu desenvolvimento, com descanso de 15 a 30 minutos a cada hora em frente a uma tela digital. Depois dessa idade passa a ser um mal permanente que necessita de acompanhamento oftalmológico.

Efeitos da luz azul

Queiroz Neto afirma que a Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza desligar todos os equipamentos de informática duas horas antes de dormir. Isso porque, a luz azul emitida pelas telas digitais tem o mesmo comprimento da luz invisível que predomina durante o dia. Por isso, diminui a produção de melatonina, hormônio indutor do sono. O oftalmologista afirma que além da insônia, a exposição à luz azul durante a noite entre em crianças interfere na saúde óssea, metabolismo cardíaco, desenvolvimento de habilidades cognitivas e motoras.

Em adultos, o médico afirma que a luz azul durante a noite facilita o ganho de peso, aumenta o estresse oxidativo e a resistência à insulina. Resultado: A conexão às redes sociais até altas horas predispõe ào diabetes tipo 2 e antecipa a formação da catarata. A única forma de evitar a perda da visão pelo diabetes é o acompanhamento oftalmológico contínuo com aplicações de laser e injeções de anti-angiogênico que evitam perda irreversível da visão.

Já a catarata, afirma, torna o cristalino opaco e tem como único tratamento a cirurgia que substitui o cristalino opaco pelo implante uma lente intraocular. Os sinais de que está na hora de operar são: perda da visão de contraste e profundidade, enxergar halos ao redor da luz, troca frequente de óculos.

Queiroz Neto afirma que o Instituto Penido Burnier, onde atende, mantém atividade durante a quarentena no período da manhã. Lesões no olho, dificuldade de enxergar ou de  usar lente de contato, cegueira súbita, dor nos olhos e enxergar manchas escuras ou uma chuva de pontinhos pretos são sinais de que seus olhos não podem esperar por atendimento.

Fonte: assessoria de comunicação do Instituto Penido Burnier