05 de Ago de 2020

Empresa de tecnologia catarinense fornece softwares que auxiliam o desenvolvimento de máscaras, ventiladores e inaladores no mundo 

Em um momento no qual todos os esforços se voltam para a luta contra a pandemia de coronavírus, a empresa de Florianópolis ESSS, em parceria com a americana Ansys, apoia pesquisas de biomedicina com softwares de simulação - tecnologias que modelam e testam produtos e fenômenos. Por meio destes softwares, tem sido possível acelerar a produção de máscaras, otimizar o projeto de ventiladores, modelar inaladores e até mesmo calcular medidas de convívio social que limitam a propagação do coronavírus.  

Aplicação da tecnologia de simulação no enfrentamento da Covid-19 

Neste cenário de pandemia, é importante limitar a propagação do vírus e a principal medida adotada pelas nações é o isolamento social. O software Ansys é capaz de simular situações do cotidiano para oferecer com exatidão distâncias que uma pessoa deve tomar da outra durante uma conversa, em filas de supermercado ou na prática de exercício físico, por exemplo. As máscaras podem reduzir o risco de contaminar outras pessoas em até seis vezes. Outra funcionalidade do software é apontar os ajustes necessários para garantir que as máscaras sejam seladas adequadamente e possam reduzir o risco de possível exposição. 

O software Rocky DEM, desenvolvido pela ESSS, tem auxiliado no desenvolvimento de equipamentos para doenças pulmonares, como inaladores. Este tipo de produto exige longo tempo de pesquisa e altos investimentos, que por meio de simulação podem ser reduzidos e mais eficazes no combate a uma pandemia. Indústrias e pesquisas científicas têm utilizado os softwares de simulação também na apuração de melhores métodos para fazer a desinfecção de salas e instalações, para aumentar a produção de vacinas em escala - uma vez identificada - e para otimizar projetos de ventiladores.  

Simulação é vantagem na corrida contra o tempo  

Empresas de diversos setores têm se engajado na missão de desenvolver equipamentos de proteção, produtos de higienização, remédios e vacina. A tecnologia de simulação tem dado suporte a profissionais de saúde, decisores políticos e comunidade global no enfrentamento da crise sanitária. 

"A ESSS está unida à comunidade científica e mobilizada em contribuir com conhecimento e equipamento técnico para enfrentar esta emergência de saúde global. Além de acelerar o ciclo de desenvolvimento de projetos, o que no cenário atual é muito útil para avaliar projetos de respiradores artificiais, a simulação computacional permite a realização de experimentos de maneira segura, como por exemplo avaliar a dispersão do vírus em diferentes cenários de aglomeração de pessoas, sem precisar expor nenhum paciente", comenta o engenheiro da ESSS, Rodrigo Ferraz.  

Pode parecer distante, mas a tecnologia de simulação está muito mais presente em nossas vidas do que se imagina. Pessoas de todo o mundo consomem produtos criados a partir de simulação, como carros, roupas, computadores, smartphones e tantos outros.  

O que é simulação computacional?  

A simulação computacional consiste em recriar fenômenos físicos de maneira virtual, resolvendo as equações que regem cada fenômeno por meio de técnicas numéricas. Assim, engenheiros aeroespaciais conseguem prever a eficiência aerodinâmica de uma aeronave a partir do computador, sem precisar de nenhum protótipo físico. Da mesma maneira, engenheiros eletricistas conseguem prever a autonomia de um veículo elétrico virtualmente, enquanto engenheiros mecânicos avaliam a segurança deste mesmo veículo em caso de uma colisão. Como estes testes são reproduzidos no computador, várias alternativas de projeto podem ser testadas em tempo reduzido, garantindo que o projeto final atenderá os requisitos desejados de eficiência e segurança. 

 

 

 

 

 

 

Fonte: assessoria de comunicação da ESSS