27 de Mai de 2020

População desconhece as condições da saúde ocular que exigem atendimento médico durante a quarentena

Covid19

O isolamento imposto pela pandemia do novo coronavírus está deixando muitas pessoas desorientadas em relação ao acompanhamento médico de outras alterações da saúde. De acordo com o oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto, muitos pacientes telefonam ao hospital para saber se é necessário manter a consulta. Outros que não deveriam faltar, simplesmente não aparecem. O especialista afirma que é muito importante evitar saídas desnecessárias para conter a disseminação da COVID-19. Entretanto, adverte, a falta de acompanhamento oftalmológico de doenças crônicas e emergências leva à perda da visão. “Para garantir a segurança dos pacientes interrompemos a realização de consultas e cirurgias eletivas” salienta. O hospital também adotou rígidos protocolos de esterilização dos equipamentos, intensificou a higienização das áreas de circulação, disponibiliza aos pacientes que precisam ser atendidos neste período álcool gel e informativos com as principais recomendações preconizadas pelo Organização Mundial da Saúde (OMS) e Ministério da Saúde. Até agora, conta, só uma funcionária foi diagnosticada com COVID-19 e está se tratando em casa por não ser um caso grave.

Doenças crônicas

Queiroz Neto afirma que necessitam atendimento oftalmológico durante a quarentena os pacientes em pós-operatório recente, pessoas com complicações oculares decorrentes do uso de lente de contato e portadores de doenças crônicas. Entre estas doenças destaca:

  • Uveíte, uma inflamação grave que atinge o bulbo do olho e frequentemente é confundida com conjuntivite por leigos.
  • Alta miopia, por predispor ao glaucoma, catarata e descolamento da retina.
  • Glaucoma, que em 90% dos casos está associado ao aumento da pressão intraocular e pode necessitar troca de colírio ou aplicação de laser.
  • Retinopatia diabética e degeneração macular, uma vez que a aplicação de laser ou injeção de anti-angiogênico deve ser deve manter intervalos adequados à gravidade de cada caso.

Urgências

As principais urgências elencadas pelo oftalmologista são:

  • Dor súbita nos olhos, que pode estar associada ao aumento repentino da pressão intraocular que caracteriza o glaucoma de ângulo fechado e exige atendimento imediato.
  • Contusões, traumas perfurantes ou químicos, mais frequentes entre crianças quando permanecem em casa.
  • Cegueira temporária, um sinal de tumor no cérebro que provoca alteração no exame de fundo de olho.
  • Enxergar manchas escuras, flashes de luz e muitas moscas volantes, indicadores de descolamento ou buraco na retina.
  • Desconforto pós-cirúrgico intenso, causado por infecção ou inflamação.
  • Olhos vermelhos e inchados, alteração associada à conjuntivite, alergia ou ceratite, uma inflamação da córnea.

Prevenção

Queiroz Neto afirma que as principais medidas para prevenir a COVID-19 são:

  • Lavar as mãos com água e sabão frequentemente e usar álcool 70% quando não for possível lavar.
  • Lavar os óculos diariamente com água e sabão.
  • Limpar o celular, mouse e teclado diariamente com álcool propílico que não contém agua e por isso não danifica os equipamentos.
  • Higienizar aos ambientes da casa com álcool líquido ou alvejante.
  • Não tocar os olhos que podem transmitir o vírus pelo canal lacrimal às vias respiratórias.

 

 

 

Fonte: assessoria de comunicação do Instituto Penido Burnier