31 de Mai de 2020

Vida longa, estresse, variações hormonais e anticoncepcional são os vilões. Entenda

Mulheres têm o sistema imunológico forte, são resistentes à dor e vivem mais que os homens. Destaque no próximo sábado, 8, Dia Internacional da Mulher, muitas ficam fora da comemoração. Isso porque, de acordo com o oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto, a perda da visão é mais frequentes entre elas. O pior é que a deficiência visual está crescendo no mundo todo. Relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que globalmente a cegueira e deficiência visual grave já atingem 2,2 bilhões de pessoas no mundo.

Miopia

A boa notícia é que segundo a OMS mais de um bilhão desses deficientes podem ser recuperados com um simples par de óculos ou pela cirurgia de catarata. Queiros Neto esclarece que de todos os vícios refrativos, a miopia, dificuldade de enxergar à distância é o que mais cresce. Isso porque, os trabalhos em ambientes fechados e as atividades próximas como usar o celular ou computador favorecem a progressão do grau. O especialista destaca que entre crianças esta evolução pode ser barrada com mais atividades ao ar livre que estimulam a produção da dopamina, um neurotransmissor capaz de interromper o crescimento do olho que caracteriza a miopia. “O uso de telas digitais por crianças deve ser de no máximo, 2 horas ininterruptas”, ensina. Em adultos a única terapia para interromper a progressão da miopia que pode causar descolamento da retina e glaucoma, se não for barrada, são as lentes de contato noturnas que aplanam a córnea e permitem enxergar bem sem óculos durante o dia.

Vida mais longa e estresse

Queiroz Neto ressalta que um dos fatores que provoca maior perda da visão entre mulheres é o envelhecimento. Isso porque este é o principal fator de risco para desenvolver catarata. Maior causa de cegueira tratável no mundo, a doença torna o cristalino opaco e tem como único tratamento a cirurgia. Consiste em substituir o cristalino por uma lente intraocular transparente. Adiar a cirurgia torna a operação mais perigosa porque dificulta a extração da catarata. O estresse da dupla jornada de trabalho pode antecipar o envelhecimento celular. “Isso porque aumenta a formação de radicais livres que aceleram o envelhecimento”, pondera. Outra doença decorrente do envelhecimento é a degeneração macular, ela afeta a porção central da retina responsável pela visão de detalhes. Por isso a recomendação do médico é a partir dos 40 anos consultar um oftalmologista anualmente.

Variações hormonais

O médico explica que as variações hormonais relacionadas ao ciclo menstrual, gestação e menopausa também têm influência na refração e produção do filme lacrimal. A lágrima, afirma, protege o olho das agressões externas, mantém a lubrificação da porção externa e a transparência da córnea, lente externa do olho. “É por isso que para cada homem temos três mulheres com olho seco. A deficiência severa de lágrima pode causar cicatrizes na córnea, uma importante causa de deficiência visual”, comenta.

Anticoncepcional

Queiroz Neto conta que mais da metade das mulheres diabéticas que chegam ao consultórionão tem um bom controle da glicemia. Para este grupo a OMS recomenda interromper a pílula anticoncepcional e só voltar a usar quando o diabetes estiver bem controlado. Neste período a recomendação é usar DIU, dispositivo intrauterino, para evitar a perda da visão por alterações na retina. Outro estudo mostra que o uso da pílula anticoncepcional por mais de 10 anos aumenta o risco de contrair glaucoma. A doença dificulta o escoamento do líquido que preenche o globo ocular e provoca a degeneração das células do nervo óptico que são irrecuperáveis. Por isso, mulheres que já tomam pílula há 10 anos devem consultar o oftalmologista anualmente.

Fonte: assessoria de comunicação do Instituto Penido Burnier