05 de Dez de 2019

Oftalmologista Dra. Patrícia Mendonça orienta sobre os cuidados básicos com os olhos

Olhos

O manual de orientação do Projeto Olhar Brasil, do Ministério da Saúde e do Ministério da Educação explica: “a visão é a capacidade que o indivíduo tem de perceber o universo que o cerca”. Por isso, todo cuidado é pouco quando se trata da saúde dos olhos. No Dia Mundial da Saúde Ocular, comemorado nesta quarta-feira (10), especialista alerta para os cuidados de rotina que podem fazer toda a diferença. Acompanhe as dicas da oftalmologista Dra. Patrícia Mendonça:

Consulte regularmente o oftalmologista: as consultas devem começar na infância. Assim que o bebê nasce, ele deve fazer o teste do olhinho, também conhecido como teste do reflexo vermelho. As visitas ao oftalmologista devem ser anuais, mesmo se não houver sintomas. ”No período entre infância e adolescência é muito comum o aparecimento dos erros refracionais, que, se não forem corrigidos a tempo, podem causar danos irreversíveis a visão. Pessoas portadoras de diabetes mellitus, hipertensão arterial, doenças oculares ou que usam lentes corretivas devem combinar a frequência das consultas com seu oftalmologista”, orienta Dra. Patrícia.

Evite fumar e mantenha uma alimentação saudável: a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) é a causa mais frequente de cegueira em pessoas acima de 65 anos. O tabagismo está associado a isso porque o cigarro diminui os níveis de agentes antioxidantes no sangue, afetando de forma indireta o metabolismo da retina. “É necessário que o paciente evite fumar e mantenha uma dieta balanceada, rica em nutrientes antioxidantes, zinco, peixe ou ácidos graxos ômega-3 para que o organismo tenha um bom funcionamento e a saúde dos olhos seja preservada”, aconselha a oftalmologista.

Use óculos escuros: esta medida é essencial principalmente quando a pessoa se expõe frequentemente ao sol. “A radiação solar pode contribuir para o aparecimento de cataratas e doenças da superfície ocular como o pterígio e a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI). Por isso, é muito importante proteger a visão com óculos escuros que tenham filtro para raios ultravioleta”, explica a médica.

Atualize os óculos de grau: É indispensável utilizar os óculos com o grau correto. “O paciente com óculos inadequados, além de ter uma qualidade visual restrita, pode apresentar problemas como dor de cabeça, dor nos olhos e cansaço visual durante a leitura”, comenta a oftalmologista.

Lave sempre as mãos: para evitar contrair ou transmitir doenças oculares, a higienização das mãos é indispensável. “Elas são a principal fonte de disseminação de doenças como a conjuntivite, por exemplo. Por isso, devem estar sempre limpas”, explica Patrícia.

Não coçar a região dos olhos: quem tiver alergias ou irritações, não deve coçar os olhos porque além de piorar ainda mais o quadro pode causar danos à superfície ocular que vão desde uma abrasão da córnea até patologias de desenvolvimento progressivo como o ceratocone. “O paciente que tiver esses sintomas, deve procurar seu oftalmologista para ter um tratamento adequado” aconselha a doutora.

Evite dormir ou tomar banho com lentes de contato: cerca de 85% das infecções causadas por parasitas acontecem com usuários de lentes de contato, cujos olhos se contaminam na piscina e mesmo tomando banho. “Por isso, deve-se evitar essas práticas ou dormir com as lentes de contato, pois há risco de infectar os olhos com vírus, bactérias, fungos ou protozoários”, esclarece Patrícia.

Faça pausas: uma forma de diminuir o risco de doenças como a síndrome do olho seco é fazer pausas curtas, a cada vinte minutos, quando se está fazendo leitura prolongada ou utilizando dispositivos eletrônicos, principalmente em ambiente refrigerados e com baixa umidade do ar. “Nessas atividades, há uma tendência a diminuir a frequência do ato de piscar os olhos e com isso não há distribuição adequada do filme lacrimal na superfície ocular”. A doutora Patrícia alerta ainda que a síndrome do olho seco não é uma exclusividade de adultos. “As crianças estão cada vez mais expostas ao uso excessivo da TV, celulares, tablets e vídeo games e eles devem ser orientados da mesma forma”.

Nunca compartilhe maquiagem: para evitar infecções como conjuntivite ou herpes ocular, evite compartilhar maquiagem. Tampouco use produtos fora da validade que podem ter fungos ou bactérias. Outro cuidado importante é sempre retirar a maquiagem antes de dormir. Dra. Patrícia lembra que a maioria das maquiagens são a prova d’água e só são removidas com produtos específicos de higiene ocular. “Resíduos de maquiagem podem causar inflamações nas pálpebras como blefarite (crostas nos cílios) e hordéolo (terçol)”, alerta a médica. 

Evite o uso de colírios sem orientação médica: a automedicação pode agravar os sintomas e provocar danos sérios aos olhos e ao organismo. “O uso indiscriminado de corticosteroide tópicos pode causar glaucoma e catarata. Do mesmo modo, os colírios clareadores oculares podem causar aumento da pressão arterial e taquicardia”, explica Dra. Patrícia. Consulte sempre seu oftalmologista para verificar qual solução é a mais indicada para o seu caso.

Pratique atividades ao ar livre: alguns estudos apontam que praticar esportes ou atividades ao ar livre pode diminuir a necessidade do uso constante da visão de perto, proporcionando descanso da musculatura ocular. “Essa atitude beneficia especialmente as crianças e adolescentes, pois diminui o risco de aparecimento ou aumento de miopia”, comenta a médica.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: assessoria de comunicação do Instituto de Olhos do Recife (IOR)