22 de Set de 2019

Interações com outros remédios podem inibir anticoncepcional, piorar glaucoma e causar outros problemas. Entenda

O brasileiro pensa que colírios são inofensivos e usa à vontade. No inverno a situação piora. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a incidência de gripe, resfriado e outras doenças respiratórias triplica nesta época do ano e isso aumenta a irritação dos olhos. Um levantamento realizado pelo oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto nos prontuários do hospital mostra que durante a estação o maior consumo de diferentes remédios faz as interações perigosas com colírios atingir 20% dos pacientes, o dobro do restante do ano. “Este é o caso dos antibióticos que podem inibir o efeito da pílula anticoncepcional”, exemplifica.

Olhos branquinhos

O especialista alerta cardiopatas e hipertensos para redobrar a atenção sobre o uso de remédios para afinar o sangue com colírio adstringente para combater a irritação dos olhos que é bastante usado no frio. Isso porque, esta associação pode causar hemorragia, já que o colírio tem ação vasoconstritora. A diminuição do calibre dos vasos e da oxigenação de todos os tecidos também predispõe a picos de hipertensão arterial, alterações cardíacas e, a longo prazo, à catarata.

Para combater a vermelhidão dos olhos sem correr risco, a dica do oftalmologista é aplicar nos olhos compressas de gaze embebida em água filtrada fria ou usar colírio hidratante sem conservante. Não desaparecendo em dois dias é necessário consultar um especialista.

Glaucoma

Queiroz Neto afirma que 90% dos que têm glaucoma fazem tratamento com colírio para baixar a pressão interna dos olhos. Os colírios adstringentes e os descongestionantes nasais inibem o efeito do tratamento, salienta. Isso porque, os dois medicamentos são vasoconstritores e levam à baixa perfusão ocular. O especialista explica que isso significa menor circulação sanguínea, de humor aquoso e de colírio anti-glaucomatoso no olho que levam a progressão da doença.

O corticóide, sobretudo na forma de colírio, é outro remédio bastante usado no inverno que corta o efeito do colírio anti-glaucomatoso, afirma. Isso porque, explica, prejudica a parte do olho que escoa o humor aquoso, líquido que preenche o globo ocular. Resultado: o humor aquoso acumula no olho e a pressão intraocular sobe. “Pessoas que nunca tiveram glaucoma, nem têm casos na família, podem desenvolver a doença se o uso do corticóide for prolongado”, adverte.

Asma

O médico ressalta que outro exemplo de associação perigosa é usar colírio betabloqueador indicado para glaucoma com remédio broncodilatador. Isso porque, provoca falta de ar e dependendo da sensibilidade da pessoa uma crise de asma.

“Os efeitos dos medicamentos diferem quando associados e usados isoladamente. A consulta ao Dr. Google não prevê este risco”, afirma.

Como usar

Queiroz Neto ensina como instilar colírio:

- lave as mãos antes da aplicação;

- verifique no frasco se é recomendado agitar o produto antes de usar;

- incline a cabeça para trás;

- flexione a pálpebra inferior com o indicador e com a outra mão segure o dosador;

- oclua com o polegar o canto interno do olho para restringir o efeito aos olhos;

- aplique o medicamento sem encostar o bico dosador, evitando a contaminação;

- feche os olhos por 3 minutos para garantir o efeito;

- se usar lentes de contato retire-as antes da aplicação;  

- volte a usá-las depois de 10 minutos da aplicação;

- em caso de prescrição de mais de um colírio, aguarde 15 minutos entre um e outro;  

- só aplique medicação dentro do prazo de validade estipulado na embalagem;

- um mês depois de aberta a embalagem descarte o produto.

 

 

 

 

Fonte: assessoria de comunicação  do Instituto Penido Burnier