19 de Jun de 2019

Somente no Brasil, mais de 6 milhões de pessoas possuem alguma deficiência visual

O Instituto de Olhos do Recife (IOR) faz um alerta a população sobre a importância dos cuidados com a visão no mês em que é dedicado a prevenção e combate à cegueira. Apesar de boa parte das doenças visuais serem preveníveis, algumas ainda não têm cura e levam a perda total da visão, como é o caso do glaucoma, catarata e a retinopatia diabética.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que 6,5 milhões de brasileiros possuem alguma deficiência visual. Em todo o mundo, são cerca de 40 a 45 milhões de pessoas cegas e outros 135 milhões com limitações severas de visão, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Apesar de grande, o número revela ainda que 80% das causas de problemas relacionados à visão podem ser prevenidos ou tratados. Porém, por falta de cuidados e prevenção, a cada cinco segundos uma pessoa fica cega no mundo.

O oftalmologista do IOR, Dr. José de Barros, faz um alerta a população sobre as doenças relacionadas à cegueira. “A principal causa de cegueira irreversível é o glaucoma, porém há outras causas de perda de visão como o descolamento de retina. O alerta que faço para as pessoas é a prevenção, ou seja, o acompanhamento oftalmológico regular a fim de identificar possíveis fatores que levem à perda da visão”, disse.

José de Barros explica, ainda, que algumas doenças estão geralmente relacionadas aos problemas de visão como à doenças sistêmicas, diabetes ou o uso de medicamentos como corticoide.

Apesar do número de brasileiros que possuem problemas de visão crescer em grande escala, as pessoas ainda são resistentes em procurar o oftalmologista, deixando para fazer só quando sentem algum problema na visão. Por isso, o médico destaca a importância de procurar um oftalmologista regularmente. “Hoje em dia não existe mais idade ideal para procurar um oftalmologista, o que se preconiza é que haja um acompanhamento regular. Se houver fatores de risco, mesmo na infância, é interessante que o paciente seja melhor avaliado”, finalizou.   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Assessoria de comunicação do Instituto de Olhos do Recife