21 de Abr de 2019

Expectativa é de reunir entre 800 e mil participantes de todas as regiões do Brasil no Serhs Natal Grand Hotel de quinta-feira (28) a sábado (30).

Congresso Norte-Nordeste de Oftalmologia discute tratamento pioneiro que corrige lesão ocular em pacientes com microcefalia em Natal — Foto: Divulgação
Congresso Norte-Nordeste de Oftalmologia discute tratamento pioneiro que corrige lesão ocular em pacientes com microcefalia em Natal — Foto: Divulgação

Congresso Norte-Nordeste de Oftalmologia discute tratamento pioneiro que corrige lesão ocular em pacientes com microcefalia em Natal — Foto: Divulgação

O 25º Congresso Norte-Nordeste de Oftalmologia, que acontece na próxima semana em Natal, de quinta-feira (28) a sábado (30), vai discutir um tratamento pioneiro que corrige lesão ocular em pacientes com microcefalia. O evento pretende debater outras questões também relacionadas à área da Medicina que trata dos olhos. A expectativa é de reunir entre 800 e mil participantes de todas as regiões do Brasil no Serhs Natal Grand Hotel, local de realização.

Desde as primeiras ocorrências de microcefalia, em 2015, pesquisas têm sido desenvolvidas para entender como o vírus da Zika atinge os fetos em gestação e como a qualidade de vida das crianças acometidas pela doença pode ser melhorada. Uma dessas áreas que têm investido em pesquisas é a oftalmologia: especialistas da Fundação Altino Ventura (Pernambuco) comprovaram que o vírus também provoca lesões oculares. Pernambuco foi o estado brasileiro com o maior registro de ocorrências de microcefalia em função do vírus da Zika, com 16,9% dos casos. O Nordeste registrou 60% das ocorrências.

No final do ano passado, foram realizadas em Recife as três primeiras cirurgias no mundo de correção de estrabismo em pacientes portadores da síndrome congênita do vírus, experiência que será discutida no congresso. O assunto será debatido na abertura oficial do evento, com a palestra magna cujo tema é “Zika, o que aprendemos: como estamos e quais são os desafios”, que será ministrada pela oftalmopediatra pernambucana Liana Ventura, pioneira nesta pesquisa. A solenidade acontece na quinta-feira (29), a partir das 18h.

Pesquisa

Liana Ventura relata que mais de 80% dos pacientes apresentaram melhora na função visual, na mobilidade dos olhos e na atenção visual após o procedimento. “Segundo pesquisas da Fundação, 87% das crianças afetadas pelo vírus têm estrabismo. Após a cirurgia a criança se torna mais participativa nas terapias de reabilitação e, por isso, atinge melhor desenvolvimento global”, aponta a especialista.

O Ministério da Saúde confirmou em novembro de 2015 a relação entre o vírus Zika e o surto de microcefalia na região Nordeste. O Instituto Evandro Chagas, órgão do Ministério em Belém (PA), encaminhou o resultado de exames realizados em um bebê, nascido no Ceará, com microcefalia e outras malformações congênitas. Em amostras de sangue e tecidos, foi identificada a presença do vírus Zika.

A partir desse achado em relação ao bebê, que morreu, o Ministério da Saúde considera confirmada a relação entre o vírus e a ocorrência de microcefalia. Essa é uma situação inédita na pesquisa científica mundial.

Congresso de Oftalmologia

O evento acontecerá no Serhs Natal Grand Hotel e conta com uma programação científica durante os três dias, além de apresentações de trabalhos científicos com defesas orais e pôsteres. Durante o congresso, serão discutidos, entre outros assuntos, as novidades em nível mundial no que diz respeito ao tratamento e procedimentos cirúrgicos para doenças como catarata, glaucoma, miopia, olho seco, tumores oculares, estrabismo e descolamento de retina. Tudo isto, à luz sobre como as inovações tecnológicas têm sido utilizadas na oftalmologia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Portal G1