17 de Out de 2019

CANCER PEDIATRICO FOTO DIVULGACAO

O retinoblastoma é um tipo de tumor no olho, próprio da infância, e que pode aparecer do nascimento aos cinco anos de idade, sendo mais comum antes dos 4 anos. Ele é maligno e originário de células da retina, a parte do olho responsável pela visão. Apesar de ser agressivo e ter potencial de causar cegueira, é passível de tratamento, se identificado precocemente. Quando acomete os dois olhos, pode indicar a presença da doença em outros órgãos ou sistemas. Quando acontece em um olho só, geralmente é esporádico.

Causas

O problema costuma estar associado a mutações em determinados genes que controlam o aparecimento de tumores, podendo ser ou não hereditário.

Quando desconfiar

Nas fases iniciais, o retinoblastoma não provoca sintomas, por isso, a avaliação oftalmológica nos primeiros meses de vida é fundamental. Com o aumento da lesão, o reflexo da pupila passa a apresentar uma alteração perceptível. Isso quer dizer que, diante do flash de uma câmera, os olhos ficam vermelhos na foto. Em crianças com retinoblastoma, o reflexo aparece branco e brilhante, semelhante aos olhos de um gato. Ao observar essa característica, o ideal é consultar um oftalmologista o quanto antes. Mas não espere esse sinal para buscar ajuda. A recomendação é levar seu filho ao oftalmologista periodicamente, como você verá a seguir.

Detecção precoce

A recomendação é visitar um especialista alguns dias após o nascimento e repetir os exames oculares após seis semanas de vida do bebê. Se tudo estiver bem, as consultas devem ser anuais, de acordo com a orientação do médico, até os cinco anos de idade. Mesmo se o teste do olhinho, realizado no momento do nascimento, for normal, a avaliação de um oftalmopediatra continua mandatória.

O médico irá avaliar o comportamento visual e resposta da criança à luz, bem como os movimentos e eventuais alterações em sua visão, além de checar as estruturas oculares e o fundo do olho. Isso ajuda a diagnosticar não só o retinoblastoma como outros problemas que podem surgir no nascimento, como a catarata congênita.

E se o tumor aparecer?

Atualmente, existem várias opções de tratamento disponíveis, entre elas, cirurgia, radioterapia, fotocoagulação, crioterapia, termoterapia e quimioterapia, que devem ser consideradas pelo especialista individualmente. Mesmo depois de finalizar o esquema terapêutico, a criança deverá fazer exames regulares, durante algum tempo, que costuma variar caso a caso. Se o retinoblastoma for hereditário, o controle deverá ser mais rigoroso, para rastrear possíveis tumores que podem vir associados.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Portal dos Olhos