16 de Fev de 2019

Praias, piscinas, aglomeração de pessoas… Tudo isso aumenta os riscos de pegar a doença nesta estação

No verão, cresce a probabilidade de contrair conjuntivite. A explicação é simples: as pessoas praticam mais atividades ao ar livre, frequentam locais com grande circulação de pessoas, como praias, clubes e piscinas. Ou seja, o contato direto entre elas é maior. Por isso, confira algumas dicas valiosas para fugir dos surtos típicos do calor:

  • Higienize as mãos frequentemente com água e sabão ou álcool antisséptico;
  • Evite coçar os olhos, sobretudo se as mãos não estiverem limpas;
  • Troque as toalhas de banho todos os dias e não as compartilhe com outras pessoas;
  • Substitua a roupa de cama com mais frequência;
  • Evite cumprimentar com as mãos ou dar beijos em pessoas que estejam com os olhos vermelhos ou com secreção aparente;
  • Redobre os cuidados em ambientes coletivos, como shoppings, cinemas, praia e piscina, para evitar o contágio.

E se eu pegar conjuntivite?

A principal orientação é consultar um oftalmologista para obter um diagnóstico preciso e o tratamento adequado, com a indicação correta de medicamentos. O médico também fornecerá um atestado para se ausentar do trabalho (ou da escola) por alguns dias, a fim de evitar a transmissão. Vale lembrar que a automedicação é perigosa, pois só um médico é capaz de identificar a causa da conjuntivite (bactéria, vírus ou agente tóxico) e indicar o tratamento apropriado.

Como tratar o problema?

A conjuntivite é uma inflamação na conjuntiva, a membrana transparente que recobre toda a região branca do olho e a superfície interna das pálpebras. Na maioria das vezes, ela é causada por vírus e é autolimitada, ou seja, vai embora sozinha e os sintomas desaparecem em até 15 dias. Mas, se o quadro for desencadeado por bactérias ou um agente tóxico, é necessário recorrer a medicamentos específicos. Para amenizar os sintomas e aumentar o conforto visual, é recomendável fazer compressas com gaze e soro fisiológico gelado, além de usar colírio lubrificante, de preferência, sem conservantes, pois são menos tóxicos para a córnea.

E se não tratar, o que acontece?

Algumas conjuntivites podem gerar complicações à córnea e comprometer a visão, por isso, é importante seguir as orientações do oftalmologista.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Portal dos Olhos