20 de Jan de 2019

A falta de alinhamento dos olhos nem sempre é evidente, mas se identificada cedo, permite a correção de problemas que podem comprometer a visão, como a ambliopia. O estrabismo é a falta de alinhamento ocular. Ela pode se manifestar em qualquer idade, mas, se detectada ainda na infância, até os sete anos, pode evitar a diminuição da capacidade visual. Isso porque ela pode levar à ambliopia, conhecida como olho preguiçoso, que promove prejuízos à visão se não for tratada cedo.

Existem três tipos de estrabismo:

Convergente: quando o desvio dos olhos é para dentro;

Divergente: quando o desvio dos olhos é para fora;

Vertical: quando um dos olhos fica mais alto ou mais baixo que o outro.

Quando desconfiar?

Na maioria das vezes, o estrabismo só é percebido pelos familiares quando apresenta um grande ângulo de desvio. Mas, nem sempre o problema é evidente. Por isso, é muito importante levar a criança ao oftalmologista ainda no primeiro ano de vida.

Olho preguiçoso. O que é?

Trata-se de uma condição que afeta de 2% a 4% da população brasileira. Para evitar a visão dupla causada pelo desalinhamento ocular, a função do olho desviado é suprimida. Neste caso, as chances de recuperação são maiores se o tratamento for feito até os sete anos, quando a visão ainda está em desenvolvimento.

Tratamentos

Os tratamentos do estrabismo variam de acordo com o tipo e a causa do problema. Conheça as alternativas:

Óculos: indicados quando é possível restabelecer o alinhamento dos olhos com o uso deles ou de lentes de contato. Nesse caso, é necessário avaliar o paciente algumas semanas após a prescrição. Se os olhos estiverem na posição correta, é possível dar prosseguimento a essa estratégia terapêutica. Mas, se ainda desviarem, pode ser necessário recorrer à cirurgia.

Tampão ou oclusão: o principal objetivo desse tratamento não é curar o estrabismo, mas tratar a ambliopia provocada por ele. Como? Impedindo a visão do olho normal para exercitar a do “preguiçoso” . O tampão costuma ser usado por cerca de seis horas por dia. Nem sempre a adaptação é fácil, já que, no período de tratamento, a criança depende da visão comprometida para fazer suas atividades. Por isso, é muito importante que os familiares dêem suporte nesse primeiro momento. A tendência é que, com o tempo, a visão melhore e o tratamento se torne menos desagradável, até ser suspenso com orientação médica.

Exercícios ortópticos: são uma espécie de fisioterapia para os olhos, mas tem indicação específica, para casos discretos de estrabismo.

Toxina botulínica: é usada em casos específicos de estrabismo, como aqueles relacionados a paralisias musculares.

Prismas: consistem em um tipo de lente que aumenta o conforto visual de pacientes que apresentam visão dupla e costuma ser indicada na idade adulta.

Cirurgia: é recomendada para tratar boa parte dos estrabismos e também pode ser realizada na idade adulta.

 

 

 

 

 

Fonte: Portal dos Olhos