14 de Nov de 2018

Olho seco e microlesões da córnea são alguns sintomas do problema

dormirpouco

A rotina agitada, o acesso permanente aos celulares, internet, além do estresse diário, são alguns fatores da modernidade que estão piorando a qualidade do sono. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 45% da população do planeta dorme mal. No Brasil, o cenário não é diferente. 36,5% dos brasileiros sofrem de insônia, segundo a Associação Brasileira do Sono.

Entre as consequências, além de comprometer o funcionamento do organismo e sintomas que incluem desconcentração, ansiedade, depressão, irritabilidade e baixo rendimento profissional, a privação do sono também pode prejudicar a visão. “Os distúrbios do sono podem causar deficiência de lubrificação e, consequentemente, sintomas que incluem irritação, olho seco, microlesões da córnea e perda das proteções naturais fornecidas pela lágrima, aumentando o risco de conjuntivite”, afirma Dr. Vinicius Kniggendorf, oftalmologista.

De acordo com o médico, estudos demonstram que o acometimento visual é maior em indivíduos que dormem menos de cinco a seis horas por dia. Em pacientes com quadro de Apneia Obstrutiva do Sono, quando a pessoa precisar fazer esforço para respirar enquanto dorme, há também o risco de doenças vasculares. “Nesses pacientes, as alterações no fluxo vascular do nervo óptico podem causar falta de sangue e oxigenação, levando a uma lesão vascular grave, chamada de neurite óptica isquêmica. Quando não tratada, pode causar perda definitiva da visão”, explica Dr. Kniggendorf.

O oftalmologista ressalta ainda que a Apneia Obstrutiva do Sono pode causar glaucoma. “Por outro lado, em alguns casos, o glaucoma é a causa da insônia, pois uma parte das células lesadas pela doença (células ganglionares fotossensíveis da retina) está relacionada ao controle do ciclo circadiano e à qualidade do sono. Além disso, o uso de determinados colírios no tratamento da doença podem acarretar a insônia”, explica o especialista.

O sono de má qualidade é também um fator de risco para inúmeras doenças, como hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares e obesidade, as quais podem  provocar problemas oculares graves. “É importante que todos os pacientes com insônia, baixa qualidade de sono e Apneia Obstrutiva do Sono sejam avaliados por um oftalmologista. O acompanhamento médico permitirá o tratamento dos sintomas mais comuns e evitará problemas oculares mais graves causados por essas doenças sistêmicas”, conclui o Dr. Vinícius Kniggendorf.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Assessoria de comunicação do Grupo Opty