17 de Ago de 2018

Especialistas do Grupo Opty explicam que prevenção é o melhor caminho para evitar complicações. Estimativas da OMS mostram que entre 60% e 80% dos casos de cegueira são resultado de causas previsíveis e/ou tratáveis

saude ocular

No próximo dia 10, é celebrado o Dia Mundial da Saúde Ocular, data estabelecida para chamar a atenção para a importância dos cuidados com a saúde dos olhos e mostrar à população os benefícios das medidas preventivas. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), oito de cada dez casos de perda de visão poderiam ser evitados, se detectados precocemente com visitas periódicas ao oftalmologista. Isso sem falar nas consequências no dia a dia, como perdas de oportunidades no mercado de trabalho, deficiências na aprendizagem e acidentes, quando crianças, jovens e adultos não buscam ajuda médica ao apresentarem problemas de visão.

"Algumas doenças oculares são silenciosas, ou seja, podem ocorrer sem sintomas e prejudicar de forma importante e definitiva a visão. Uma consulta preventiva anual torna possível o diagnóstico precoce e a prevenção", afirma a Dra. Lívia Ramos, oftalmologista do Hospital de Olhos Santa Luzia (Maceió/AL). "Outro aspecto é a mudança no grau dos óculos ou lentes de contato. Diante de tais alterações, deve-se ajustá-los periodicamente, após novo exame de refração com o médico oftalmologista", comenta a especialista em catarata e lentes de contato.

No Brasil, mais de 1,2 milhões de pessoas são cegas. A OMS estima que em 60% a 80% dos casos a cegueira é resultado de causas previsíveis e/ou que poderiam ser tratadas. "Por isso a realização de exames oftalmológicos periódicos é decisiva", reforça o Dr. Isaac Ramos, também da unidade alagoana e especialista em catarata, cirurgia refrativa e ceratocone.

Dependendo da faixa etária em que os exames oftalmológicos são realizados, pode-se descobrir doenças como catarata, glaucoma, degeneração macular relacionada à idade (DMRI), retinopatia diabética, conjuntivites, pterígio e toxoplasmose ocular, algumas das doenças mais comuns entre os brasileiros, porém nem sempre percebidas pelo indivíduo.

De acordo com a Dra. Lívia, chama a atenção no País os casos de toxoplasmose, doença que ocorre via contaminação por um microrganismo, Toxoplasma Gondi, presente nas fezes de animais como cachorros, gatos, aves, e também na carne de porco. "Apesar da presença do germe no mundo inteiro, a incidência é maior no Brasil e em países em desenvolvimento, pois a contaminação está relacionada a questões de higiene e acesso a saneamento básico", afirma.

Sobre os pterígios, popularmente chamado de "carne crescida", uma membrana composta por tecido fibroso e vasos sanguíneos que cresce no canto dos olhos e avança em direção à córnea, a médica diz que é importante ressaltar que o seu aparecimento está diretamente relacionado à maior exposição à radiação solar. "Dessa forma, a incidência é maior em países e regiões próximos à linha do Equador, como o Norte e Nordeste do Brasil", conta. Se não tratado, o pterígio pode causar astigmatismo, vermelhidão e sensação de areia nos olhos. Daí a importância do uso de óculos de sol de qualidade, com proteção UV.

Atenção em todas as idades

Os cuidados com a saúde ocular devem se iniciar ainda na maternidade. Ao nascer, o bebê deve ser submetido ao teste do olhinho e, após cerca de 30 dias de vida, ao mapeamento de retina. A partir daí até os 2 anos de idade deve-se fazer uma consulta a cada 6 meses e depois, anualmente até a fase adulta. Embora a maioria dos problemas oftalmológicos se manifeste a partir dos 40 anos, recomenda-se a realização de consulta também na infância. No início da escolarização, é importante que a criança faça o exame de acuidade visual, para a detecção dos chamados vícios de refração (miopia, hipermetropia e astigmatismo), que podem levar à perda visual e atrapalhar a alfabetização.

Na fase adulta, deve-se ficar atento a distúrbios como o glaucoma, que afeta a pressão ocular; a retinopatia diabética, complicação que ocorre quando o excesso de glicose no sangue danifica os vasos sanguíneos dentro da retina; e a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), doença degenerativa da retina que provoca uma perda progressiva da visão central, afetando especialmente pessoas acima de 60 anos. "Apesar de não existir cura, essas patologias podem ser controladas, evitando seu desenvolvimento e estacionando os danos ao tecido ocular", comenta o Dr. Isaac.

O que você pode fazer por seus olhos:

  • Lavar as mãos com frequência.
  • Não coçar os olhos, pois pode causar ou agravar doenças.
  • Evitar o uso excessivo da visão de perto, que pode estimular o aparecimento ou aumento da miopia.
  • Usar óculos prescritos por médicos oftalmologistas.
  • Não usar óculos prontos, os "óculos de farmácia", que podem trazer prejuízos para a visão.
  • Usar óculos de sol com proteção UV.
  • Evitar a exposição excessiva ao vento, poeira e agressões em geral.
  • Não usar medicamentos (incluindo colírios) sem prescrição médica.
  • Consultar um oftalmologista anualmente ou quando sentir desconforto nos olhos.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Assessoria de comunicação do Grupo Opty