23 de Mai de 2018

Estudo identifica medicação que elimina o herpes ocular comumente confundido com conjuntivite. Os tratamentos atuais não curam a doença. Saiba como evitar recidivas

novo colirio para diabeticos

A estimativa do Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que 67% da população global está infectada com HSV-1 (vírus simplex do herpes – tipo 1) que causa o herpes ocular e o labial. A boa notícia é que o HSV-1 pode ser eliminado da córnea, lente externa do olho responsável pela refração da luz. É o que mostra um estudo inédito realizado na Universidade de Illinois (Chicago), recentemente divulgado pela renomada revista Science Translational Medicine. O medicamento tem como princípio ativo o BX79, substância que bloqueia a síntese proteica do vírus. A pesquisa também revela que o BX79 não causa toxidade que poderia levar as células da córnea à morte e é um antiviral de amplo espectro capaz de combater inclusive uma cepa do HSV-1 resistente ao antiviral aciclovir, largamente utilizado para tratar este tipo da infecção,.

Risco da recorrência

Segundo o oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto a descoberta do novo medicamento é, sem dúvida, de grande importância. Isso porque o herpes pode causar graves alterações na córnea e até a perda da visão. O médico acentua que atualmente o tratamento é feito com antivirais e corticosteroides que não curam a doença e o novo medicamento evita o comprometimento da visão. O tratamento hoje permite a recorrência da crise herpética que afina a córnea, torna o vírus resistente, predispõe ao glaucoma nos casos de uso prolongado de corticosteroide e pode até provocar uma perfuração do olho afetado.

Este foi o caso de Nélida Lorenzo que chegou ao consultório com o humor aquoso, líquido que preenche o globo ocular, vasando em um lenço. Queiroz Neto conta a levou imediatamente ao centro cirúrgico, onde selou a perfuração com cola de cianoacrilato. O oftalmologista explica que a perfuração poderia levar à perda do globo ocular caso o humor aquoso continuasse vazando por mais tempo. A cola permitiu manter a marca da perfuração que prioriza o transplante de córnea, além de ter ação bactericida e evitar a necrose. Por isso, em cinco dias ela já tinha passado pelo transplante e retomado as atividades.

Como o HSV-1 é contraído

Queiroz Neto afirma que a maioria das pessoas carregam o HSV-1 pela vida toda sem jamais ter uma infecção ocular. Por isso, o vírus pode ser contraído pelo beijo de uma pessoa que nem desconfia estar contaminada. A saliva, secreção nasal e das vesículas que se formam ao redor das pálpebras ou dos lábios nas crises herpéticas são os veículos de transmissão elencados pelo especialista. “O herpes só se manifesta nos olhos quando o HSV-1 se instala na raiz do nervo oftálmico”, explica. Apesar de ser uma doença contagiosa, ressalta, geralmente só afeta um olho e tem sintomas bastante parecidos com a conjuntivite: dor no olho, vermelhidão. lacrimejamento, sensibilidade à luz e redução da acuidade visual.

Prevenção

O oftalmologista afirma que este novo medicamento pode demorar alguns anos para chegar ao mercado. Ele destaca que os principais gatilhos das recidivas de crises herpéticas são: queda da imunidade, outras viroses, exposição excessiva ao sol, stress físico ou emocional e distúrbios odontológicos.  Por isso, recomenda noites regulares de sono e alimentação balanceada para prevenir recidivas. Outra dica do oftalmologista é incluir na dieta queijos, ovos, peixes, leite e seus derivados. Isso porque, contêm lisina. um aminoácido que estimula a hibernação do vírus, diminui a replicação e o tempo de recuperação. A absorção desta substância naturalmente varia de uma pessoa para outra, mas o consenso é de que o ideal é consumir de 1 a 3 gramas de lisina/dia, conclui.

Fonte: Assessoria de comunicação do Instituto Penido Burnier