21 de Out de 2017

b_300_0_16777215_00_https___gallery.mailchimp.com_b30be60d7148d9120627f0a5b_images_6890e2ca-8b35-4060-8128-e574592ad0ee.pngb_300_0_16777215_00_https___gallery.mailchimp.com_b30be60d7148d9120627f0a5b_images_d6bdaa0d-8628-4159-a08a-8ea1169d0e49.png

Em 1º de outubro é celebrado o Dia do Idoso. Nos últimos anos, o número de idosos no Brasil aumentou. Entre 2005 e 2015, a proporção de pessoas de 60 anos ou mais passou de 9,8% para 14,3%, de acordo com pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2016. Diante desses dados, é importante zelar pela qualidade de vida dessa grande parcela da população. Alguns dos problemas mais comuns nessa faixa etária são os relacionados à visão, que além de afetarem o bem-estar do idoso, podem levar à cegueira irreversível. A catarata, o glaucoma e a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), além de problemas de refração, como a presbiopia, são as principais manifestações oculares que atingem a população idosa.

De acordo com a oftalmologista Dra. Kátia Mello, além da maior expectativa de vida, outros fatores que contribuem para os problemas oculares são o estresse e os hábitos da vida moderna. Essas condições, segundo ela, tem antecipado doenças como a degeneração macular relacionada à idade, que hoje já é comum em pessoas com menos de 60 anos. “Muitos desses distúrbios oculares podem ser prevenidos ou amenizados com hábitos saudáveis como não se expor ao sol sem proteção; ter uma alimentação equilibrada, com maior ingestão de peixes, ovos, verduras e frutas; praticar atividades físicas; controlar o estresse; não fumar e evitar bebidas alcoólicas; entre outros”, orienta a oftalmologista.

A médica também destaca que políticas públicas que orientem e facilitem o acesso dos idosos mais carentes aos serviços relacionados à saúde ocular são fundamentais. Uma boa notícia é que devido ao número crescente de idosos na população, está crescendo também o interesse, a assistência, pesquisas e estudos que beneficiam pessoas nessa faixa etária.

Catarata, glaucoma e degeneração macular

O glaucoma é causado pela lesão do nervo óptico relacionada à pressão ocular alta. Por ser assintomático, as consultas regulares com o oftalmologista são indispensáveis para a identificação precoce do problema. Segundo a Dra. Kátia Mello, essa doença, quando não tratada e diagnosticada a tempo, leva à cegueira irreversível. A catarata, opacidade da lente natural do olho, é outra doença que se não for tratada pode levar à perda da visão. "A catarata é a maior causa de cegueira evitável. Os portadores da doença não devem temer a cirurgia, pois o procedimento é simples e a recuperação costuma ser muito rápida", explica a Dra. Kátia Mello. Entre os sintomas da catarata estão: sensação de visão embaçada ou com névoa, sensibilidade à luz e alteração da visão de cores. Com a progressão da doença, as pessoas poderão enxergar apenas vultos. Outra manifestação ocular que mais atinge os idosos é a degeneração macular relacionada à idade. A doença afeta a área central da retina (mácula), provocando baixa visão central, dificultando principalmente a leitura. A detecção precoce e os cuidados médicos podem auxiliar no controle do problema.

 

 

 

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do Centro da Saúde Ocular Kátia Mello, em Duque de Caxias – RJ