11 de Dez de 2017

Catarata na infância exige um tratamento minucioso, e com acompanhamento

A catarata é uma opacificação do cristalino, lente natural e transparente localizada dentro do olho com a função de focalizar os objetos. Apesar de frequentemente acometer idosos, segundo relatórios da Organização Mundial de Saúde (OMS), a catarata é uma das principais causas de cegueira infantil tratável e passível de prevenção. A doença leva a uma baixa visual do olho acometido que geralmente só pode ser melhorada com realização de cirurgia. Quando acomete crianças assume maior gravidade, pois, se não tratada rapidamente, a baixa visual pode se tornar irreversível com o apareceimento de ambliopia, que é uma falha no desenvolvimento da capacidade de enxergar.

O acompanhamento pó-operatório é fundamental para o desenvolvimento visual, pois podem surgir diversas complicações que devem ser tratadas prontamente, inclusive com novas intervenções cirúrgicas. As principais complicações são inflamações intra-oculares, glaucoma e opacidades secundárias no eixo visual. Os ferimentos nos olhos causados por prática de esportes, brincadeiras e alguns costumes arriscados de festas folclóricas, são os motivos mais comuns da catarata infantil traumática da Índia, segundo dados de estudos. A prevenção destes ferimentos está em ações nas escolas públicas, na atenção de adultos e no uso de protetores nos olhos.

O trauma é uma das maiores causas de catarata infantil na Índia, chegando a ocorrer mais do que a congênita. De acordo com pesquisas locais, que destacou a catarata infantil considerando a demografia e o risco de epidemia em Bihar, Índia, a catarata causada por trauma tem maior incidência em crianças sócio-economicamente desprivilegiadas.

Dr. Tanuj Dada, do Dr. Rajendra Prasad Centre fo Ophtalmic Science, All India Institute of Medical Sciences, em Nova Deli, e seus colegas, conduziram respectivamente uma revisão de 101 casos de catarata traumática unilateral em crianças menores de 15 anos. O grupo de pacientes teve 83 meninos e 18 meninas com idade média de 7,49 anos. Os causadores de ferimentos são: pedaços de madeira (28%), objetos afiados como facas, tesouras e lápis (41%), objetos sem corte como bolas e pedras (20%), foguetes festivos (5%) e objetos variados (6%). Ferimentos abertos no globo ocular foram encontrados em 56% dos casos e os fechados em 44%, segundo estudo.

Os resultados clínicos relacionaram as entradas de pacientes envolvendo traumatismos (16%), ruptura na lente anterior (21%), lente deslocada (7%), deslocamento de retina (4%), inflamação (2%), corpos estranhos presos nos olhos (2%).

"A catarata traumática é comum em crianças de 3 ou 4 anos que estejam na escola e/ou participem de atividades que forneçam risco para seus olhos", adverte Dr. Dada. "As brincadeiras destas crianças quase nunca são supervisionadas por adultos. Sempre que elas estiverem envolvidas com este tipo de atividades, particularmente usando objetos cortantes, pontiagudos, afiados, pedaços de madeira e foguetes festivos, a chance de acontecer algum acidente com os olhos cresce", conclui.

Educação e prevenção

"Existe uma necessidade de concientização pública a respeito dos riscos e das medidas preventivas", adverte Dr. Dada. "Ferimentos sérios podem evoluir para uma complicação para o olho. Este foi o propósito do estudo, estes instrumentos e objetos que podem causar a catarata pós-traumática. As crianças que apresentarem estes casos podem ter outros problemas associados, como descolamento de retina, inflamação e ruptura na lente. Alguns apresentam corpos estranhos presos que precisam ser retirados, além da catarata", completa.

A maioria dos casos de ferimentos acontecem com crianças que não usavam proteção nos olhos. "Uma media que deve ajudar é a educação destas crianças e dos professores, assim eles irão alarmar as outras para que elas tenham mais cuidadp", diz Dr. Dada. Já existe um programa de educação para crianças que informam os riscos das brincadeiras e do manuseio de objetos pontiagudos e fogos festivos.

Entretanto, informações sobre o cuidado com os olhos e a prevenção de acidentes não é difundio, especialmente nas áreas rurais. "Este programa educativo ainda não foi criado. Então, temos que ser muito incisivos na educação de pais e professores para conscientizar as crianças e disponibilizar protetores de olhos sempre que necessário", almeja o Dr. Dada. A apresentação que se focou na epidemiologia e nos dados demográficos mostrou a falta de serviços de reabilitação visual para a catarata infantil na área rural e no subúrbio de Bihar. A consideração da população e o acompanhamento médico nas escolas é crítico.

Foemtar a conscientização da população sobre como se evitar a catarata infantil e , concomitantemente, promover o acompanhamento médico nas escolas e o treinamento de oftalmologistas para estes casos, irá diminuir os riscos de perda de visão e o tratamento", afirma Dr. Dada. "Todas as crianças que ingressem na escola, com idade de 3 anos, devem ser examinadas por um oftalmologista para detectar qualquer complicação visual, inclusive a catarata", completa.