26 de Set de 2017

Para o poeta, os olhos são as janelas da alma, mas para o Manual de Orientação do projeto Olhar Brasil, do Ministério da Saúde (MS) e do Ministério da Educação (MEC), “visão é a capacidade que o indivíduo tem de perceber o universo que o cerca”. Além disso, “oitenta por cento da relação do ser humano com o mundo se dá por meio do sentido da visão. Para que o sentido da visão seja aproveitado de maneira plena, é fundamental que toda a via sensorial visual esteja perfeita (...)”.

No entanto, a falta de cuidados com os olhos podem provocar complicações na visão. Por isso, mais do que apenas visitar o oftalmologista, alguns cuidados básicos de rotina podem fazer a diferença na hora de cuidar dos nossos olhos.

Em primeiro lugar, não espere apresentar algum sintoma para procurar um médico. Manter visitas regulares ajuda na prevenção de problemas oculares e a evita agravamentos decorrentes de doenças assintomáticas (sem sintomas). Entretanto, se você apresenta algum sintoma como: lacrimejamento, principalmente durante ou após realizar atividades que exigem esforço visual como ver televisão, ler, desenhar, entre outros; Olho Vermelho; Secreção; Crostas nos Cílios; Aperta ou arregala os olhos para enxergar melhor; Aproxima-se muito da televisão ou aproxima muito o papel para ler; Necessita afastar os objetos do rosto para ler ou ver melhor; Inclinação de cabeça; Visão embaçada; Fotofobia (sensibilidade excessiva à luz); Dores de cabeça; Visão Dupla; Desvio Ocular (Olho “Vesgo”), procure com urgência o profissional de sua confiança.

Não tem esses sintomas? Mesmo assim, é preciso cuidar dos olhos todos os dias. Conheça as dicas do oftalmologista Dr. Paulo Janot Borges Júnior:

Cuidado com o sol: Reduza a exposição dos olhos ao sol e a muita claridade e use óculos escuros. Não basta usar lentes escuras que não possuam fator de proteção para raios UV. Caso você possua um óculos, mas não saiba se ele tem proteção, algumas clínicas ou óticas especializadas, possuem equipamentos que verificam o fator de proteção presente nas lentes. A exposição em excesso aos raios ultravioletas (UV) pode atuar como agravante no desenvolvimento de doenças como catarata, e a redução da visão decorrente da morte de células da retina. Ao contrário da catarata, que tem quadro reversível, os danos na retina não tem solução.

Evite coçar a região dos olhos: Em um determinado momento, coçar os olhos pode dar uma sensação de alívio. Entretanto, em casos de alergias ou irritações, isso pode piorar ainda mais o quadro. Para evitar ou reduzir a coceira decorrente de clima seco, ou outros fatores externos, hidrate os olhos com colírios lubrificantes. Isso ajuda a manter os olhos sempre úmidos. Para quem possui conjuntivite alérgica, existem opções de colírios antialérgicos com efeitos colaterais reduzidos.

Evite o uso excessivo de colírios: Corticoides em excesso ou se automedicar pode agravar ou iniciar casos de glaucoma e catarata. Consulte sempre o oftalmologista para verificar qual solução é a mais indicada para o seu caso.

Sempre limpe a região dos olhos: Maquiagens podem causar reações alérgicas. Procure marcas de qualidade ou hipoalergênicas de sua confiança para evitar problemas na região dos olhos. Se a maquiagem não for retirada corretamente antes de dormir, os canais de drenagem presentes nos olhos podem entupir, gerando infecções ou terçol (vermelhidão na região da pálpebra que parece com uma espinha).

Use protetor ocular em situações de risco: Óculos de proteção são essenciais para evitar que acidentes aconteçam. Em situações de risco, como manuseio de solda, por exemplo, é essencial seguir a risca a recomendação de prevenção. Entretanto, mesmo em casa, o menor trabalho pode ser prejudicial aos olhos. Não deixe que um acidente aconteça para depois procurar ajuda. Prevenir é sempre a melhor opção.

Caso você precise procurar o Sistema Único de Saúde (SUS) para identificar um problema de visão, as equipes de Atenção Básica, entre as suas atribuições, fazem o rastreamento de doenças oculares, principalmente em usuários com doenças crônicas. Em casos mais graves, o paciente é encaminhado ao especialista.

Já para profissionais de saúde, o SUS oferece atendimento gratuito àqueles que queiram discutir casos clínicos, através do telessaúde, no número 0800 644 6543. A iniciativa procura aumentar a capacidade de cuidado e da resolutividade clínica das equipes de atenção básica.

 

 

 

 

 

Fonte: Blog da Saúde