12 de Dez de 2017

Empresas do ramo óptico desenvolvem tecnologia para otimizar o processo cirúrgico

catarata

A catarata, considerada mundialmente a principal causa de cegueira, é o processo natural de opacificação do cristalino, uma lente situada atrás da íris cuja transparência permite que os raios de luz alcancem a retina para formar imagens. Como os raios luminosos não conseguem atingir a retina completamente, o paciente tem dificuldade para enxergar com nitidez. No início, o indivíduo enxerga como se a lente de seus óculos estivesse embaçada, mas com o avanço da doença a dificuldade aumenta e pessoa passa a enxergar apenas vultos, podendo evoluir, às vezes, até a cegueira. Outros sintomas que podem ocorrer são: visão dupla, sensibilidade à luz ou imagens distorcidas.

“As pessoas com esta condição enxergam como se estivessem vendo através de um vidro fosco”, explica a oftalmologista Dra. Renata Rabelo. Sua evolução costuma ser lenta, atingindo principalmente a população acima de 50 anos, e a doença pode afetar primeiro um dos olhos, tornando a visão opaca gradualmente e podendo evoluir para a perda da visão.

A melhor forma de tratar a catarata e a cegueira causada por catarata é por meio de um procedimento cirúrgico. Nele, os cristalinos opacos são removidos e substituídos por lentes intraoculares artificiais. “A cirurgia de catarata está cada vez mais moderna e, atualmente, já é possível realizá-la com anestesia tópica, ou seja, simples gotas de colírio. As lentes implantadas também evoluíram bastante, permitindo um corte pequeno que na maioria das vezes não requer o uso de pontos”, comenta a médica. A cirurgia não requer internação e é considerada um procedimento de rotina, no Brasil já são mais de 600 mil procedimentos anuais.

A tecnologia desenvolvida por empresas do ramo têm oferecido apoio aos médicos que realizam este tipo de cirurgia. A ZEISS criou um dispositivo inovador utilizado para remover os cristalinos: o Visalis 500 utiliza o procedimento de facoemulsificação com ultrassom e sucção a vácuo para remover os cristalinos. Este método tritura e aspira o cristalino, trazendo a vantagem de exigir um corte menor que e, em geral, não necessita de suturas. O sistema Visalis 500 já é utilizado por cirurgiões em diversos países. Essa inovação é de extrema importância para países em desenvolvimento, onde inúmeros procedimentos cirúrgicos nos olhos são realizados diariamente.

O envelhecimento é o principal agente da Catarata, contudo, existem casos de catarata congênita no qual as crianças que já nascem com a doença devido a fatores genéticos. Dentro dos episódios congênitos, também existe a possibilidade da mãe do paciente ter contraído rubéola, sífilis ou toxoplasmose no primeiro trimestre da gestação. Diabetes, inflamações intraoculares, traumas como socos ou batidas fortes na região dos olhos e excesso de radiação também são indicados como possíveis causadores da doença. O diagnóstico é feito pelo oftalmologista a partir de um exame minucioso que verifica se há alguma perda de transparência no cristalino. A visita regular ao oftalmologista pode ajudar a identificar qualquer sinal de perda da capacidade ocular.

A ZEISS também apoia projetos e ações sociais oftalmológicas, destinadas a populações carentes em regiões remotas, sem acesso a Saúde, como o interior da Amazônia e do Xingu (MT).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Assessoria de Comunicação ZEISS