12 de Dez de 2017

Tres mil pessoas recebem consulta oftalmológico, óculos de grau e de sol gratuitos  no Instituto Penido Burnier. Aumento da população com mais de 40 anos preocupa especialistas

Até a próxima sexta, dia 20 de maio acontece no Instituto Penido Burnier programa social que  reduz a fila do Sistema Único de Saúde (SUS) para exames de vista. De acordo com o oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto, presidente do hospital, o programa é resultado de uma parceria da Fundação Dr. João Penido Burnier com a ONG OneSight pertencente à Luxottica e a prefeitura municipal. Durante cinco dias, de 15 a 20 de maio, a iniciativa doará consultas, óculos de grau e de sol a 3 mil pessoas.

O médico afirma que esta terceira edição em Campinas conta com 9 consultórios, 15 residentes coordenados pela presidente da fundação, Elvira Barbosa Abreu, mais 5 médicos titulares.  Este ano participam da iniciativa 2,1 mil adultos triados pela  Secretaria de Saúde de Campinas nos postos municipais e 900 crianças de 6 a 9 anos triadas nas escolas municipais pela Secretaria de Educação de Campinas.

Programação

Queiroz Neto conta que na manhã do lançamento nesta segunda, os voluntários do programa que vêm ao Brasil de diversas partes do mundo passam por treinamento com os técnicos da Luxóttica. Nas dependências do hospital serão instaladas mesas com diferentes modelos de óculos de sol e armações para os participantes escolherem após a consulta. A instalação de uma linha de montagem com facetadoras para lapidar as lentes conforme a prescrição médica, viabilizam a entregas dos óculos no dia seguinte após a consulta.

Das 14h às 18h, 400 crianças passam por atendimento médico. A partir das 19h, acontece no anfiteatro do hospital cerimônia de abertura com a presença dos representantes da instituição médica, autoridades, representantes da Luxóttica e o presidente da Abióptica, Bento Alcoforado. Nos demais dias as consultas acontecem no período da manhã e da tarde com intervalo para almoço.

Óculos melhora a produtividade e rendimento escolar

Queiroz Neto ressalta que a visão responde por 85% de nossa integração com o meio ambiente e por isso faz diferença em todas atividades. Só para se ter uma ideia, enxergar bem aumenta em até 40% a produtividade do trabalhador. Pesquisa realizada pelo hospital com pais e professores de crianças que participaram de outra iniciativa social da instituição mostra que após um ano de uso do óculos metade das crianças tiveram melhora no rendimento escolar. 

"Diante da crise econômica que deve aumentar para mais de 10% o número de brasileiros que deixam de comprar óculos após a prescrição, decidimos aumentar a quantidade de consultas com adultos que muitas vezes respondem pelo sustento da família", afirma.

Cresce população com mais de 40 anos

Dados atualizados do censo da cidade apontam que em 2016 196.994 pessoas apresentavam deficiência visual. Dessas, 164.272 tem alguma dificuldade para enxergar que pode ser corrigida com óculos na maioria dos casos. Outros 27.222 tem grande dificuldade de enxergar e 5.500 são cegas. Um dado preocupante para o médico é que 38% população de Campinas têm  dificuldade de focalizar todas distâncias. Isso porque, a estimativa  do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é de que este é o índice na cidade dos que já passaram dos 40 anos.Significa que são pessoas com presbiopia ou vista cansada, uma alteração inevitável que aparece a partir dessa idade e é caracterizada pela dificuldade de enxergar de perto. O grande problema, pontua Queiroz Neto, é que muitas pessoas chegam aos consultórios usando os populares óculos de farmácia ou de fábrica por causa do baixo preço.

Óculos de farmácia agrava presbiopia

O médico afirma que o uso esporádico desses óculos podem até melhorar a visão de perto. Mas o uso contínuo pode agravar a presbiopia e causar dor de cabeça ao final do dia porque o grau é aproximado e exige maior esforço visual.

Quem mais sente os efeitos dessa imprecisão são as pessoas que usam o celular para navegar na internet, colocar a correspondência em dia ou acessar as redes sociais, por causa da tela menor do telefone. As principais diferenças entre óculos de farmácia e prescritos elencadas pelo médico são:

Óculos de Farmácia                             Óculos prescritos

Distância pupilar padrão

Distância pupilar personalizada

Mesmo grau nas duas lentes Graus diferentes para cada olho presente na maioria das pessoas
Avaliação feita sempre na mesma distância Avaliação da leitura feita a diferentes distâncias
Frequentes irregularidades na superfície das lentes que podem causar astigmatismo  Lentes com superfície regular 
Grau aproximado que pode agravar a presbiopia São prescritos com grau correto

Outras doenças

O oftalmologista também ressalta que é a partir dessa idade que começam a aparecer doenças oculares como o glaucoma, segunda maior causa de cegueira definitiva no mundo que hoje atinge cerca de 23 mil pessoas em Campinas. Sem sintoma, a doença só é descoberta no início quando são feitas consultas a cada 18 pu 24 meses. Por isso, durante o OneSight podem ser diagnosticados novos casos. Nas edições anteriores do programa foram diagnosticadas diversas doenças oculares que receberam acompanhamento médico do hospital.

 

 

 

 

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do Instituto Penido Burnier