11 de Dez de 2017
O glaucoma é uma das principais causas de cegueira irreversível em todo o mundo. No Brasil, atinge mais de um milhão de pessoas, mas metade não sabe que tem o problema.  

Com algumas mudanças no cotidiano, podemos evitar o glaucoma
Com algumas mudanças no cotidiano, podemos evitar o glaucoma

A doença se caracteriza por alterações do nervo óptico e camada de fibras nervosas da retina, sendo normalmente associada ao aumento da pressão intraocular. Se não tratado adequadamente, o glaucoma leva ao dano permanente do nervo óptico, causando uma perda progressiva do campo visual, que pode progredir para cegueira. De acordo com Tiago Prata, médico assistente do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo, o problema tem caráter hereditário e tende a ser mais frequente nos indivíduos parentes de primeiro grau (pais, irmãos e filhos) de portadores da doença, que também está ligada ao processo de envelhecimento.

 

Após os 70 anos, a incidência de glaucoma sobe significativamente - de 2% para 5% na população. Outras condições que favorecem o surgimento do glaucoma incluem diabetes, raça negra, enxaqueca, traumas oculares e cirurgias intra-oculares prévias.No entanto, não são apenas essas condições que aumentam o risco de se desenvolver glaucoma. "Alguns hábitos de vida que, inicialmente, não estão relacionados à visão ou à saúde dos olhos, podem contribuir para o desenvolvimento de problemas oculares", diz Prata. Diversos estudos buscam identificar possíveis fatores que podem comprometer a pressão intraocular, seja de maneira transitória ou prolongada. Já existem conclusões relevantes, apontadas a seguir.

Atividade física: alguns exercícios podem aumentar ou diminuir a pressão intraocular – atividades prolongadas, como corrida e ciclismo, levam à sua redução transitória em pacientes com glaucoma. Estudos mostram que indivíduos com bom condicionamento físico apresentam pressão ocular mais baixa do que aqueles não condicionados ou sedentários. Já em relação às atividades que envolvem aplicação rápida e máxima de força por um curto período de tempo, como levantamento de peso, pode ocorrer elevação durante o exercício. Pacientes com glaucoma que praticam ioga devem ser constantemente orientados e evitar a posição invertida de cabeça e tronco (Sirsasana), pois nessa posição a pressão ocular pode subir a valores muito elevados, e existem relatos de casos nos quais pacientes tiveram piora da doença em curto espaço de tempo.

Cafeína: um dos estudos mais relevantes nessa área, que avaliou cerca de 3500 participantes na Austrália, mostrou que a pressão ocular é, em média, de 15 a 20% mais alta em pessoas que tomam café do que naquelas que não tomam. E quando analisados somente os participantes que tomam café diariamente, a pressão dos olhos se mostrou mais alta naqueles que consomem mais café (>200mg de cafeína/dia) quando comparados aos que consomem menos (<200mg de cafeína/dia).

Tabagismo: embora não exista relação direta entre tabagismo e desenvolvimento de glaucoma, o hábito de fumar causa aumento transitório da pressão intraocular. Semelhante ao efeito observado com a cafeína, estudos mostram que a pressão ocular é mais alta em pessoas que fumam do que naquelas que não fumam.

Medicamentos: diversos medicamentos podem levar ao aumento da pressão ocular e, dentre eles, os mais temidos são os anti-inflamatórios a base de cortisona, utilizados frequentemente em doenças respiratórias, reumatológicas e quadros alérgicos. Estudos mostram que muitas pessoas apresentam elevação significativa da pressão ocular após uso de cortisona, principalmente por períodos prolongados (em alguns casos, chega a dobrar). Como a maior parte dos pacientes não sente qualquer sintoma, é importante que o clínico o encaminhe ao oftalmologista para avaliação. Embora não seja algo comum, muitas drogas utilizadas para o tratamento de doenças diversas, como incontinência urinária, depressão, prevenção de crises convulsivas e profilaxia de enxaqueca, podem causar elevação significativa de pressão ocular em olhos predispostos. Um simples exame oftalmológico é capaz de orientar o clinico sobre a existência de riscos com o uso dessas medicações.

Dr. Tiago Prata comenta ainda que muitos pacientes com glaucoma questionam se o uso de Viagra (Sildenafil) pode aumentar o risco de progressão da doença. "Nenhum estudo mostrou associação entre o uso dessa medicação e a hipertensão ocular, mas alguns pacientes podem apresentar efeitos colaterais, como embaçamento visual e sensibilidade a luz", completa.


Fonte: Andreoli MS&L