17 de Dez de 2018

A “dificuldade em ver ao longe” é um problema ocular em que se consegue ver perfeitamente os objetos próximos, porém os que estão mais afastados ficam desfocados

estudo sobre a cegueira recebe premio bial 290649

Esta refração visual tem na genética sua principal origem, mas fatores externos também podem afetar a visão e influenciar no desenvolvimento do problema, como por exemplo a grande incidência de luz nos olhos originada pelo uso constante de computadores, tablets e smartphones, por longos períodos.

De acordo com um levantamento realizado pelo Centro de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) / TIC Kids On-line, o uso intensivo de equipamentos tecnológicos por crianças e adolescentes, bem como seus potenciais riscos à saúde, vem se tornando objeto de inúmeras pesquisas, com relatos frequentes de problemas em idades cada vez mais precoces na literatura e em consultórios médicos. Entre os riscos à saúde associados ao uso intensivo de equipamentos tecnológicos, podem ser citados os problemas oculares, como a miopia.

Para o presidente da Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR-BRASCRS), o oftalmologista Prof. Dr. Walton Nosé, o uso de aparelhos eletrônicos próximos aos olhos contribui para um esforço excessivo de acomodação ocular. “Isso porque o músculo dos nossos olhos, que trabalha como uma espécie de zoom para a captura da imagem precisa fazer esse trabalho de maneira repetitiva, o que pode proporcionar o início da miopia. E qualquer pessoa que, com muita frequência passa mais de duas horas diante desses aparelhos sem pausa, pode ser afetada gerando nelas o ressecamento dos olhos, a miopia, entre outras alterações oculares”.

Como forma de prevenção para este caso, o especialista pontua algumas dicas importantes:

A cada 50 minutos de trabalho no computador, o ideal é descansar de cinco a dez minutos, de preferência olhando para o horizonte para mudar o foco. O computador deve ser utilizado em ambientes iluminados, porém evitando reflexos de janelas na tela. É importante piscar mais, mesmo que voluntariamente, para lubrificar os olhos. Evitar luzes apontadas diretamente para os olhos, como luminárias de mesa. Isso pode causar ofuscamento. Tomar cuidado com a utilização de computador em áreas com ar-condicionado muito forte. Isto ajuda a contribuir para o ressecamento dos olhos. Manter o monitor sempre limpo por causa da estática, pois é grande o acúmulo de pó na tela, o que piora a imagem. Se o ressecamento dos olhos for muito acentuado, é primordial procurar um oftalmologista que indicará um colírio. O monitor deve ficar a uma distância de 50 centímetros dos olhos. Nunca ficar com o monitor acima do nível dos olhos. “Além de forçar mais os músculos, essa posição exige que a fenda palpebral fique mais aberta, agravando o ressecamento”.

O Prof. Dr. Walton Nosé afirma que a miopia é a causa mais frequente de deficiência de visão à distância no mundo. “O crescimento de casos de miopia, em âmbito mundial, pode prejudicar a qualidade de vida e a saúde de quem sofre com esta distorção visual. Além de ser incômoda, a miopia aumenta o risco de doenças graves, como degeneração macular míope, descolamento de retina, glaucoma e catarata, sendo uma das principais causas de deficiência visual e cegueira em muitos países”. 

Estudos internacionais relatam que o início precoce da miopia aumenta a carga econômica da vida relacionada à perda de produtividade e independência, levando a uma redução da qualidade de vida. “Um erro refrativo não corrigido poderá afetar na atuação profissional e social de uma pessoa, que deixará de exercer suas atividades de forma plena. O impacto que isso gera é imensurável, pois grande parte do relacionamento humano com o meio ambiente depende da visão”, comenta o presidente da ABCCR.  

Para corrigir este erro refrativo, o tratamento de miopia pode ser feito com a indicação de óculos de grau ou lentes de contato que deverão possuir lentes que auxiliam no deslocamento do ponto focal para trás, corrigindo a distância focal do olho míope, ajudando a reduzir a taxa de progressão da miopia. “Se isto não resolver o problema de visão, a cirurgia refrativa é outra opção e as técnicas aplicadas neste procedimento serão escolhidas pelo especialista com base nas características e necessidades do paciente”, relata Dr. Walton Nosé.

Intervenções farmacológicas que afetam as mudanças na esclera também têm se revelado uma terapêutica promissora. “Para reduzir o impacto da miopia nas décadas futuras, ainda são necessários mais trabalho e esforço, inclusive por parte de governos e organizações internacionais de saúde ocular a fim de disseminar informações educativas para orientar populações de áreas carentes quanto aos cuidados essenciais com a visão”. 

Dr. Walton Nosé sugere ainda que o aumento do tempo ao ar livre pode reduzir o início da miopia.

 

 

 

 

Fonte: Assessoria de comunicação da Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa