17 de Dez de 2018

b_300_0_16777215_00_https___hypescience.com_wp-content_uploads_2018_08_ilusao-otica-cegueira-de-curvatura.jpg

Dê uma boa olhada na imagem acima. Que tipo de linhas você vê? Elas são retas e parecem ziguezaguear ou curvas que formam ondas suaves? Você vê apenas um tipo, ou ambos? Essa ilusão de ótica, descoberta pelo psicólogo experimental Kohske Takahashi da Universidade Chukyo (Japão) em 2017 e chamada de “ilusão de cegueira de curvatura”, é apenas o mais recente exemplo de como nem sempre podemos confiar em nossos olhos.

Cegueira de curvatura

Se você for como a maioria das pessoas, provavelmente viu tanto linhas onduladas quanto linhas em ziguezague em pares alternados. Pelo menos quando olhou diretamente para o fundo cinza central da imagem. Se você também reparou nas linhas das áreas superior esquerda e inferior direita da imagem, onde o fundo é branco ou preto, provavelmente notou que as linhas são apenas onduladas nessas seções. Se mesmo assim você continua vendo linhas em ziguezague na seção central cinza, parabéns: você acabou de ser diagnosticado com “cegueira de curvatura”. Não se preocupe, no entanto; não é uma condição médica nem nada grave. É apenas mais um dos efeitos malucos que envolvem nossa visão e nosso cérebro.

Por que vemos linhas retas?

Por que tantos de nós veem linhas em ziguezague na imagem, quando na verdade todas as linhas são onduladas? De acordo com Takahashi, pode ter a ver com o modo como nossos olhos diferenciam curvas e cantos no mundo real. É possível que a maneira como diferenciamos os dois desencadeie algum tipo de conflito no sistema visual do cérebro.

“Propomos que os mecanismos subjacentes para a percepção da curva suave e aqueles da percepção do canto obtuso estão competindo uns com os outros de forma desequilibrada”, explica Takahashi. “As percepções de canto podem ser dominantes no sistema visual”.

Mas por que os cantos superam as curvas? Hipoteticamente falando, pode ser por causa de como os humanos tiveram que acomodar as geometrias inventadas do mundo físico moderno ao nosso redor.

“Eu diria que nossos olhos e cérebro podem ter sido evolutivamente adaptados para detectar cantos com mais eficiência do que curvas”, sugere Takahashi. “Estamos cercados por produtos artificiais, que têm muito mais cantos do que o ambiente natural. Esse fenômeno visual não causa o problema em nossa vida cotidiana, caso contrário, alguém teria encontrado essa ilusão mais cedo”.

Como funciona

Em termos de como a ilusão realmente engana nossos olhos, Takahashi realizou uma série de experimentos com imagens levemente alteradas para ver quais eram as condições ideais para acionar o efeito. Na imagem que mais causou “cegueira de curvatura”, vista acima, o contraste de brilho entre as diferentes seções que compõem as linhas e a cor de fundo é invertido nos pontos de virada.

Se você olhar de perto, notará que as linhas onduladas que parecem estar em ziguezague são feitas de cinza claro e escuro. Cada pedaço de cor diferente vai da base ao pico de cada curva. Isso acentua a ilusão de que essas seções são linhas retas inclinadas para cima ou para baixo. Em contraste, nas linhas onduladas que realmente parecem onduladas, as cores alternadas envolvem ou os picos ou as bases, o que ajuda a acentuar as curvas. Outro fator que ajuda a ilusão é a relativa superficialidade da onda, que possui uma curva suave e baixa. Uma onda mais íngreme com ângulos mais agudos quebraria o efeito.

Um artigo sobre essa ilusão de ótica foi publicado na revista científica i-Perception.

 

 

 

 

 

Fonte: Hypescience