23 de Nov de 2017

Longas jornadas de trabalho ou de estudo são as principais causas desse desconforto

Como meio de comunicação, diversão, estudo ou trabalho, o uso do computador tem aumentado consideravelmente nas últimas décadas. Se você é daqueles que passa horas conectado, é melhor tomar cuidado: você pode sofrer de Síndrome do Usuário do Computador, um termo originário do inglês, o "Computer Vision Syndrome". Causada pela má lubrificação dos olhos, a síndrome é uma reação natural do ser humano frente à atividade ocular interativa e estática dos olhos quando usamos um microcomputador, muito semelhante à leitura ou televisão. Este tipo de atividade contínua pode também piorar quando associado a outros fatores como o estresse, a presbiopia (dificuldade em enxergar de perto devido a idade), o cansaço, a falta de sono e outros fatores como ar condicionado e poluição.

"Devido ao uso constante do computador, a frequência do piscar diminui, causando ressecamento dos olhos e o olho vermelho associado à coceira, lacrimejamento, maior sensibilidade à luz e sensação de peso nas pálpebras", alerta o oftalmologista Dr. Richard Yudi Hida. 

Ainda de acordo com o especialista, pacientes com histórico de doenças oculares são mais afetados pelo problema. "Aqueles que tem hipermetropia, astigmatismo ou dificuldade para enxergar de perto (presbiopia), são mais vulneráveis a desencadearem o problema mais facilmente, principalmente se não consultarem um oftalmologista regularmente. É possível detectar este problema precocemente para evitar problemas mais graves no futuro", explica o especialista.

O oftalmologista ressalta que o uso prolongado do computador, combinado a locais com ar condicionado, agravam os sintomas. "Pessoas que trabalham em ambientes fechados com ar condicionado, estão mais suscetíveis a ter este problema, pois o ar gelado e seco desencadeia o ressecamento ocular, que expõe a superfície ocular da córnea causando os sintomas citados", esclarece.

Apesar de ser mais comum em adultos, crianças e adolescentes podem desenvolver o problema. "A síndrome não se limita aos adultos, e pode dar sinais em crianças e adolescentes que usam o computador para estudo ou lazer", contemporiza Hida. Confira abaixo as dicas do oftalmologista para evitar os sintomas da Síndrome da Visão do Computador:

�PiscarPiscar v�rias vezes ajuda a lubrificar os olhos e previne irrita��es oculares. �Quando estiver diante do computador, procure realizar intervalos de um ou dois minutos a cada 2 a 3 horas para descansar os olhos piscando v�rias vezes seguidas, olhando para longe (mais que 6 metros)�, afirma.��Ilumina��oControlar a ilumina��o tamb�m ajuda. �Quando estiver usando um microcomputador, controle as ilumina��es que possam provocar reflexos na tela do microcomputador ou na mesa. Observe as intensidades das l�mpadas do ambiente e entrada de luz natural da janela ou espelhos�, recomenda�oftalmologista.�BrilhoReduzir o brilho produzido pelas superf�cies planas e pela tela do computador � uma dica importante. Hoje, a maioria das telas dos computadores povocam pouco reflexo. Aumentar a frequ�ncia de varredura do monitor (em Hz) pode ajudar a cansar menos os olhos.�Descanso e bom sonoPausas mais longas tamb�m � uma das maneiras de evitar o estresse visual e psicol�gico, mas n�o existem evid�ncias a respeito destes fatores na s�ndrome do usu�rio do computador. �Apenas o descanso apropriado do corpo, da mente e procurar ter boa quantidade e qualidade do sono de forma sensata, nos permite ter boa qualidade da vis�o durante a jornada de trabalho�, finaliza Hida.�� Sobre Dr. Richard Yudi HidaDr. Richard Yudi Hida � um dos maiores cirurgi�es oculares reconhecido mundialmente. H� quase 20 anos, Dr. Richard Yudi Hida atua na �rea de oftalmologia cl�nica e cir�rgica, no tratamento das mais variadas doen�as visuais.O profissional � especializado em oftalmologia pelo Departamento de Oftalmologia da Santa Casa de S�o Paulo. Foi Fellow nas 2 melhores Universidades do Jap�o (Keio University- School of Medicine e Kyorin University) onde dominou v�rias �reas da oftalmologia cir�rgica.�Atualmente, � chefe do Setor de Catarata do Departamento de Oftalmologia da Santa Casa de S�o Paulo, respons�vel por cerca de 500 cirurgias por m�s.� tamb�m diretor t�cnico do Banco de Tecidos Oculares da Santa Casa de Miseric�rdia de S�o Paulo, respons�vel por coordenar a distribui��o de tecidos oculares para transplante desta institui��o.O profissional ainda � membro da equipe de Transplante de C�rnea da Santa Casa de S�o Paulo.� m�dico volunt�rio, colaborador e membro do Grupo de Estudo em Superf�cie Ocular do Departamento de Oftalmologia da Universidade de S�o Paulo (USP), respons�vel por orientar in�meras pesquisas internacionais sobre tratamento e diagn�stico de doen�as da superf�cie ocular.  Dezoitocom